Sustentabilidade: um anseio social e uma questão de sobrevivência para empresas

Cotações e Índices

Moedas - 24/05/2019 13:15:31
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 4,026
  • 4,028
  • Paralelo
  • 4,020
  • 4,210
  • Turismo
  • 3,870
  • 4,190
  • Euro
  • 4,509
  • 4,511
  • Iene
  • 0,037
  • 0,037
  • Franco
  • 4,020
  • 4,020
  • Libra
  • 5,114
  • 5,117
  • Ouro
  • 166,100
  •  
Mensal - 06/05/2019
  • Índices
  • Fev
  • Mar
  • Inpc/Ibge
  • 0,54
  • 0,77
  • Ipc/Fipe
  • 0,54
  • 0,51
  • Ipc/Fgv
  • 0,35
  • 0,65
  • Igp-m/Fgv
  • 0,88
  • 1,26
  • Igp-di/Fgv
  • 1,25
  • 1,07
  • Selic
  • 0,49
  • 0,47
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,59
  • 0,59
  • TR
  • -
  • -

Obrigações Tributárias do Dia

  • 31/Maio/2019
  • IOF | Imposto sobre Operações Financeiras
  • COFINS/PIS-PASEP | Retenção na Fonte – Autopeças
  • IRPJ/CSL | Imposto de Renda Pessoa Jurídica e da Contribuição Social sobre o Lucro | Apuração mensal
  • IRPJ/CSL | Imposto de Renda Pessoa Jurídica e da Contribuição Social sobre o Lucro | Apuração trimestral
  • IRPJ | Imposto de Renda Pessoa Jurídica | Renda variável
  • IRPJ/Simples Nacional | Ganho de Capital na alienação de Ativos
  • IRPF | Imposto de Renda Pessoa Física
  • FINOR/FINAM/FUNRES | Apuração mensal
  • FINOR/FINAM/FUNRES | Apuração trimestral
  • REFIS/PAES | Programa de Recuperação Fiscal
  • REFIS | Programa de Recuperação Fiscal
  • PAEX 1 | Parcelamento Excepcional
  • PAEX 2 | Parcelamento Excepcional
  • Simples Nacional | Parcelamento Especial
  • INSS | Previdência Social | Simples Nacional | Parcelamento Especial
  • Previdência Social (INSS) | Programa de Modernização da Gestão e de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro | Profut || Parcelamento de débitos junto à RFB e à PGFN
  • Previdência Social (INSS) | Programa de Recuperação Previdenciária dos Empregadores Domésticos - Redom (Parcelamento de débitos em nome do empregado e do empregador domésticos junto à PGFN e à RFB)
  • DOI | Declaração de Operações Imobiliárias
  • DME | Declaração de Operações Liquidadas com Moeda em Espécie
  • IRPF - Imposto de Renda sobre a Pessoa Física
  • Contribuição Sindical (empregados)
  • Escrituração Contábil Digital (ECD)
  • Salário-família | Comprovante de frequência à escola
  • Declaração Anual do Simples Nacional (DASN-Simei/2018)
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

A temática da sustentabilidade ainda é muito nova e passa por um processo de constante transformação, no qual estamos todos aprendendo e ensinando ao mesmo tempo. Porém, tem cada vez mais alcançado amplitude e se transformado em algo espontâneo, capaz de adaptar-se à realidade na qual está inserida.

No mundo empresarial, ainda existem dúvidas do que realmente vem a ser sustentabilidade e, sobretudo, sua diferenciação e relação com a responsabilidade social. É preciso ter claro que estamos falando de dois conceitos distintos, porém complementares, diretamente relacionados e que não podem ser separados. Ambos visam garantir que as necessidades da geração atual sejam atendidas, sem comprometer as próximas que virão. 

Também é preciso elucidar o fato de que, ao contrário do que muitas empresas ainda acreditam, praticar a sustentabilidade não significa realizar ações com viés puramente ambiental. Sim, a preservação do meio ambiente é de fundamental importância e essencial ao tema. É importante reflorestar, cuidar da água, até mesmo apadrinhar locais públicos como parques e praças. Isso tudo pode fazer parte de um arcabouço de ações de sustentabilidade, mas não podem ser as únicas medidas tomadas pela empresa. É preciso estar atento para as reais necessidades de seus stakeholders e do meio em que estão inseridos e não esquecer, em hipótese nenhuma, que a sustentabilidade pode estar relacionada aos aspectos econômicos e, principalmente, deve estar ligada à parte social.

Uma empresa sustentável procura inserir em todos os aspectos de sua gestão práticas que garantam o equilíbrio econômico, o bem-estar social e a preservação ambiental, seja desenvolvendo programas voltados aos empregados ou à cadeia de valor, ou mesmo implementando ações de reciclagem ou reuso de água. A sustentabilidade deve estar alinhada aos interesses financeiros sem perder de vista as demandas da sociedade e do planeta. Nada disso é feito da noite para o dia. Leva tempo, demanda, estudo e dedicação constantes. Mas vale à pena, pois os resultados trazem benefícios a todas as partes envolvidas.

Em nossa realidade atual, eu diria que é impossível fugir da sustentabilidade. É uma questão de sobrevivência das empresas, pleiteada não só pela sociedade, mas também pelo mercado. As novas gerações já possuem essa mentalidade intrínseca e não é algo que tenham aprendido, como aconteceu com a nossa geração. Nos jovens, esse chip vem “de fábrica”. A pergunta é: como fazer negócio, vender seus produtos e sua imagem para um público que já sabe tudo sobre pegada de carbono, reciclagem e voluntariado?

Com base em minha experiência pessoal na Termomecanica, o impacto positivo é visível. Temos equipes engajadas, que vestem a camisa e se comprometem com os resultados, e nossas práticas de gestão de pessoas são referência no mercado como um todo. A raiz da nossa sustentabilidade está na forte preocupação com o ser humano, com a saúde dos empregados e familiares em todos os aspectos: físicos, financeiros, emocionais e sociais.

Fazer a diferença e posicionar-se como uma empresa sustentável ganha ainda mais relevância em tempos de crise. É certo que décadas e décadas de atividades com o foco extremamente voltado ao capital nos trouxeram até aqui. Todavia, é a hora de virar o jogo e ressurgir com mais força, mais cor e com uma mentalidade renovada por novos objetivos. Claro que o lucro é e sempre será o propósito maior das organizações, afinal, dele depende sua sobrevivência. Porém, colocá-lo acima de tudo e visar a sua obtenção a qualquer custo, sacrificando o ser humano e o planeta, não pode mais ser uma prática aceita como usual.

Desta forma, acredito que esse momento crítico globalmente seja um sinal para todos repensarem e remodelarem os seus processos. É hora de tirar a sustentabilidade do discurso e trazer para a prática. De outro modo, não haverá futuro para as corporações.

Fonte: Administradores.com.br - 9 de Maio de 2016


Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Visitas ao site: 55620
Leal Contábil e Consultoria  |  Fone 98. 3312 6092  Avenida Colares Moreira, Quadra 28, Lote 07
Edifício Vinicius de Moraes, sala 901 | Bairro Calhau | CEP: 65.071-322 | São Luís - Maranhão