Indicadores da economia apontam para possibilidade de redução da taxa Selic

Cotações e Índices

Moedas - 18/03/2019 17:00:20
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,790
  • 3,792
  • Paralelo
  • 3,770
  • 3,960
  • Turismo
  • 3,640
  • 3,940
  • Euro
  • 4,297
  • 4,300
  • Iene
  • 0,034
  • 0,034
  • Franco
  • 3,787
  • 3,788
  • Libra
  • 5,023
  • 5,026
  • Ouro
  • 158,300
  •  
Mensal - 14/02/2019
  • Índices
  • Dez
  • Jan
  • Inpc/Ibge
  • 0,14
  • 0,36
  • Ipc/Fipe
  • 0,09
  • 0,58
  • Ipc/Fgv
  • 0,21
  • 0,57
  • Igp-m/Fgv
  • -0,49
  • 0,01
  • Igp-di/Fgv
  • -0,45
  • 0,07
  • Selic
  • 0,49
  • 0,54
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,56
  • -
  • TR
  • -
  • -

Obrigações Tributárias do Dia

  • 18/Março/2019
  • EFD Contribuições
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

A Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio-RJ) avaliou que os números recentes do Produto Interno Bruto (PIB) e das condições internas de crédito sinalizam para a possibilidade de redução da taxa básica de juros Selic, mantida hoje (31) pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central em 14,25%, mesmo patamar desde julho do ano passado.

Considerando dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a Fecomércio-RJ considerou que “o PIB do segundo trimestre recuou pela sexta vez consecutiva, com forte redução dos investimentos na comparação com igual período do ano passado. Além disso, mesmo em meio à estabilidade da Selic, os juros médios subiram significativamente para empresas e consumidores brasileiros. Seu patamar na ponta, na média, mais do que o dobro da Selic (33%), e sua evolução no último ano comprovam o espaço existente para a redução das taxas, de modo a ampliar o dinamismo das concessões e a recuperação do setor produtivo”.

Também a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) aposta que a mudança de rumo da política econômica impulsionou a confiança de empresários e consumidores, “abrindo espaço para que a atividade econômica desse os primeiros sinais de recuperação”.

Em nota, a entidade observou, entretanto, que a volta do crescimento depende da confirmação das medidas fiscais propostas pelo governo de Michel Temer, agora empossado na Presidência da República. “A redução dos gastos públicos é fator-chave, não só para conter a escalada da dívida como também para abrir espaço para a queda da inflação e da taxa de juros”.

O Sistema Firjan sugere que o novo governo deve trabalhar de maneira firme pela aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que limita o crescimento dos gastos à inflação e, também, na proposta de reforma da Previdência.

Fonte: administradores.com.br


Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Visitas ao site: 53209
Leal Contábil e Consultoria  |  Fone 98. 3312 6092  Avenida Colares Moreira, Quadra 28, Lote 07
Edifício Vinicius de Moraes, sala 901 | Bairro Calhau | CEP: 65.071-322 | São Luís - Maranhão