Estabilização da economia já é consenso entre economistas

Cotações e Índices

Moedas - 26/03/2019 13:23:56
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,875
  • 3,876
  • Paralelo
  • 3,830
  • 4,030
  • Turismo
  • 3,720
  • 4,030
  • Euro
  • 4,372
  • 4,375
  • Iene
  • 0,035
  • 0,035
  • Franco
  • 3,898
  • 3,898
  • Libra
  • 5,116
  • 5,118
  • Ouro
  • 163,280
  •  
Mensal - 14/02/2019
  • Índices
  • Dez
  • Jan
  • Inpc/Ibge
  • 0,14
  • 0,36
  • Ipc/Fipe
  • 0,09
  • 0,58
  • Ipc/Fgv
  • 0,21
  • 0,57
  • Igp-m/Fgv
  • -0,49
  • 0,01
  • Igp-di/Fgv
  • -0,45
  • 0,07
  • Selic
  • 0,49
  • 0,54
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,56
  • -
  • TR
  • -
  • -

Obrigações Tributárias do Dia

  • 29/Março/2019
  • IOF | Imposto sobre Operações Financeiras.
  • COFINS/PIS-PASEP | Retenção na Fonte – Autopeças
  • IRPJ/CSL | Imposto de Renda Pessoa Jurídica e da Contribuição Social sobre o Lucro | Apuração mensal.
  • IRPJ/CSL | Imposto de Renda Pessoa Jurídica e da Contribuição Social sobre o Lucro | Apuração trimestral
  • IRPJ/CSL - Lucro real anual - Saldo de 2018
  • IRPJ | Imposto de Renda Pessoa Jurídica | Renda variável
  • IRPJ/Simples Nacional | Ganho de Capital na alienação de Ativos
  • IRPF | Imposto de Renda Pessoa Física
  • FINOR/FINAM/FUNRES | Apuração mensal
  • FINOR/FINAM/FUNRES | Apuração trimestral
  • REFIS/PAES | Programa de Recuperação Fiscal
  • REFIS | Programa de Recuperação Fiscal
  • PAEX 1 | Parcelamento Excepcional
  • PAEX 2 | Parcelamento Excepcional
  • Simples Nacional | Parcelamento Especial
  • INSS | Previdência Social | Simples Nacional | Parcelamento Especial
  • Previdência Social (INSS) | Programa de Modernização da Gestão e de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro | Profut || Parcelamento de débitos junto à RFB e à PGFN
  • Previdência Social (INSS) | Programa de Recuperação Previdenciária dos Empregadores Domésticos - Redom (Parcelamento de débitos em nome do empregado e do empregador domésticos junto à PGFN e à RFB)
  • DOI | Declaração de Operações Imobiliárias
  • DME | Declaração de Operações Liquidadas com Moeda em Espécie
  • Declaração de Benefícios Fiscais (DBF)
  • Informações prestadas pelas entidades de previdência complementar, sociedades seguradoras e administradoras de Fapi
  • Declaração de Rendimentos Pagos a Consultores por Organismos Internacionais (Derc)
  • Declaração de Transferência de Titularidade de Ações (DTTA)
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

O ex-ministro da Fazenda e professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV) Nelson Barbosa voltou a afirmar nesta terça-feira (13/09) que a economia brasileira deverá se estabilizar nos próximos meses sob o estímulo da manutenção da apreciação do câmbio, consequente desaceleração da inflação, recuo da taxa de juro real e flexibilização da política fiscal. 

Segundo Barbosa, que falou na abertura do "13º Fórum de Economia - Semiestagnação desde 1981. Por que?", realizado em São Paulo pela Fundação Getulio Vargas e Escola de Economia de São Paulo (FGV-EESP), agora é consenso entre os economistas que a economia tende a se estabilizar, o que é uma previsão que ele já fazia no final do ano passado enquanto ministro da Fazenda.

"Tendo a concordar com a maioria dos economistas de que o nível de atividade deve se estabilizar até o final do ano. Isso é o que a gente já falava no final do ano passado e agora é uma opinião cada vez mais consensual, disse, ponderando, no entanto, que estabilização não é recuperação. 

"Vai se estabilizar porque vai ter os efeitos expansionistas da apreciação do real e os efeitos expansionistas da queda da taxa de juro real mais a flexibilização fiscal", afirmou.
Barbosa lembrou que a taxa real de câmbio teve uma depreciação de 44% da eleição até setembro de 2015. 

A partir de setembro do ano passado, houve uma apreciação de 33%, que quase que zerou a desvalorização. 

"Agora a expectativa é de que ela fique estável. A depreciação causou aumento da inflação e recessão. A apreciação agora gera manutenção, vai causar uma queda da inflação e uma expansão da demanda agregada, principalmente em 2017."

Na taxa de juro, o pico da taxa real foi em setembro de 2015, quando chegou a 8,6%. Desde então já caiu 1,5 ponto porcentual, para 7,1%. 
A expectativa do mercado é de que esta taxa caia para cerca de 5,5% até o final do ano que vem. "Já há uma redução de taxa de juro real esperada. Isso também tende a contribuir para uma recuperação do nível de atividade nos próximos meses. Então temos, seja do ponto de vista de juros seja do ponto de vista cambial, algumas forças que tendem a estabilizar a economia brasileira no curto prazo", disse.

"O risco é voltar uma política fiscal contracionista já no curto prazo devido à manutenção da meta de resultado primário e contingenciamento, a tentação da depreciação cambial na ausência de avanços de outros setores, e a tendência do Banco Central manter a Selic elevada por muito tempo", acrescentou Barbosa, para quem isso causaria uma bolha especulativa. "Essa bolha até estimularia a economia no curto prazo, mas geraria problemas para o final de 2017 e início de 2018", explicou.

PIB DO ITAÚ ESTABILIZA
O PIB mensal calculado pelo Itaú Unibanco (Pibiu) caiu 0,1% em julho ante junho - após ajuste sazonal - e recuou 4,3% na comparação com julho do ano passado. 

Em 12 meses, o indicador acumula queda de 4,9%, o maior recuo desde o início da série histórica, em 2003. 

Na margem, houve retração de sete dos dez itens que compõem o indicador (difusão de 30%).

Observando-se a desagregação por atividades, o resultado do mês foi puxado pela queda na indústria de transformação (-0,1%) e nas vendas no varejo ampliado (-0,5%). Pelo lado positivo, a indústria extrativa cresceu 1,6%.

"o Pibiu ficou praticamente estável em julho, mostrando uma estabilização nos últimos meses. Apesar disso, os indicadores coincidentes apontam para uma contração do PIB mensal em agosto, o que sugere uma nova contração do PIB (como medido pelas Contas Nacionais do IBGE) no terceiro trimestre", diz o Itaú em relatório.

Para agosto, o banco espera queda do Pibiu de 0,7%, em função da contração na produção industrial, consistente com os principais indicadores coincidentes já divulgados (produção de veículos, movimento de veículos pesados nas estradas, expedição de papelão ondulado, entre outros) e da continuidade da deterioração no mercado de trabalho.

Fonte: dcomercio.com.br - 13 de Setembro de 2016


Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Visitas ao site: 53430
Leal Contábil e Consultoria  |  Fone 98. 3312 6092  Avenida Colares Moreira, Quadra 28, Lote 07
Edifício Vinicius de Moraes, sala 901 | Bairro Calhau | CEP: 65.071-322 | São Luís - Maranhão