Corte de impostos foi remédio anticrise em países desenvolvidos

Cotações e Índices

Moedas - 12/11/2019 11:43:33
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,126
  • 3,126
  • Paralelo
  • 4,130
  • 4,360
  • Turismo
  • 3,620
  • 3,840
  • Euro
  • 3,514
  • 3,518
  • Iene
  • 0,034
  • 0,034
  • Franco
  • 3,767
  • 3,770
  • Libra
  • 4,786
  • 4,792
  • Ouro
  • 194,990
  •  
Mensal - 23/09/2019
  • Índices
  • Jul
  • Ago
  • Inpc/Ibge
  • 0,10
  • 0,12
  • Ipc/Fipe
  • 0,14
  • 0,33
  • Ipc/Fgv
  • 0,31
  • 0,17
  • Igp-m/Fgv
  • 0,40
  • -0,67
  • Igp-di/Fgv
  • -0,01
  • -0,51
  • Selic
  • 0,53
  • 0,49
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,59
  • 0,59
  • TR
  • -
  • -

Obrigações Tributárias do Dia

  • 13/Novembro/2019
  • IOF | Imposto sobre Operações Financeiras.
  • IRRF | Imposto de Renda Retido na Fonte.
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

Governos de países desenvolvidos deixaram de elevar os impostos para fazer frente a seus déficits em 2015 e começaram a cortar taxas para dar apoio à economia, afirmou a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Em relatório publicado nesta quinta-feira (22/09) a entidade afirma que a mudança de ênfase é outro sinal de que essas nações estão deixando para trás as políticas de austeridade que caracterizaram os anos após a crise financeira de 2008.

À medida em que o crescimento econômico ainda não voltou aos níveis anteriores à crise e os bancos centrais estão esgotando o arsenal de estímulos monetários, governos vem concordando em tomar parte maior no apoio ao crescimento.

A conclusão do levantamento está em linha com o comunicado da última reunião do G-20, no mês passado, que fez um apelo para que os governos entrem com mais medidas.

Por outro lado, ainda que este apelo tenha sido no sentido de mais gastos governamentais, a OCDE afirma que as mudanças tributárias começaram desde o ano passado.

"Embora as reformas tenham sido amplamente motivadas pela consolidação fiscal após a crise financeira, o suporte ao crescimento parece ser o principal objetivo das medidas passadas em 2015", informou a entidade sediada em Paris.

Este é o primeiro trabalho do que pretende ser uma série anual de relatórios sobre políticas tributárias.

A OCDE considera cortes em tributos sobre renda e lucro corporativos positivos para o crescimento, e defende uma maior ênfase na taxação do consumo e da propriedade.

Fonte: dcomercio.com.br - 22 de Setembro de 2016


Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Visitas ao site: 60848
Leal Contábil e Consultoria  |  Fone 98. 3312 6092  Avenida Colares Moreira, Quadra 28, Lote 07
Edifício Vinicius de Moraes, sala 901 | Bairro Calhau | CEP: 65.071-322 | São Luís - Maranhão