Governo discute reforma da Previdência com centrais sindicais na próxima semana

Cotações e Índices

Moedas - 23/05/2019 16:29:44
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 4,048
  • 4,048
  • Paralelo
  • 4,010
  • 4,220
  • Turismo
  • 3,880
  • 4,210
  • Euro
  • 4,525
  • 4,527
  • Iene
  • 0,037
  • 0,037
  • Franco
  • 4,037
  • 4,036
  • Libra
  • 5,120
  • 5,125
  • Ouro
  • 164,140
  •  
Mensal - 06/05/2019
  • Índices
  • Fev
  • Mar
  • Inpc/Ibge
  • 0,54
  • 0,77
  • Ipc/Fipe
  • 0,54
  • 0,51
  • Ipc/Fgv
  • 0,35
  • 0,65
  • Igp-m/Fgv
  • 0,88
  • 1,26
  • Igp-di/Fgv
  • 1,25
  • 1,07
  • Selic
  • 0,49
  • 0,47
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,59
  • 0,59
  • TR
  • -
  • -

Obrigações Tributárias do Dia

  • 24/Maio/2019
  • COFINS
  • PIS/Pasep
  • IPI | Imposto sobre Produtos Industrializados
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

O governo federal vai começar a discutir a reforma da Previdência com as centrais sindicais apenas na próxima semana e não dá mais prazo para que o texto final seja enviado ao Congresso, disseram parlamentares e fontes palacianas.

O presidente Michel Temer havia anunciado inicialmente que o texto final seria enviado ao Legislativo até o dia 30 de setembro. No entanto, o governo ainda não conseguiu nem mesmo fechar o texto final, que ainda não foi apresentado ao presidente.

Além disso, antes de enviar a proposta de reforma, Temer decidiu que iria discutir o texto com as centrais sindicais, empresários e as bancadas no Congresso.

De acordo com uma fonte palaciana, o governo não vai mais falar em datas para enviar o texto ao Congresso. "Não tem porque fazer previsões que depois podem ser frustradas", disse a fonte.

Reunião na semana que vem

Ao sair de um encontro de líderes da base, o líder do Solidariedade, deputado Paulinho da Força (SP), confirmou que a primeira reunião com os sindicalistas está marcada apenas para a terça-feira da semana que vem.

Temer viaja na quarta-feira para a Índia, onde participa da cúpula anual dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), nos dias 15 e 16 de outubro, e depois emenda uma visita de Estado ao Japão, nos dias 18 e 19, chegando de volta ao Brasil possivelmente apenas no dia 21.

O governo ainda tenta fechar os detalhes do texto, especialmente qual será a participação dos militares, que resistem a serem incluídos na reforma. Além disso, ainda há resistência das centrais sindicais a pontos considerados certos da reforma, como a idade mínima.

"O governo tem que ter muita calma para negociar a reforma. Não pode apresentar para a gente num dia e mandar para o Congresso no outro. Estamos dispostos a negociar, mas se o governo atropelar vai ter muita dificuldade", disse Paulinho.

A Força Sindical, por exemplo, não aceita que a idade mínima passe a valer desde já, e concorda apenas que seja para quem está entrando no mercado de trabalho. "Acho que nenhuma central aceita. O governo vai ter que ter muita paciência para negociar", disse.

Fonte: uol.com.br


Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Visitas ao site: 55578
Leal Contábil e Consultoria  |  Fone 98. 3312 6092  Avenida Colares Moreira, Quadra 28, Lote 07
Edifício Vinicius de Moraes, sala 901 | Bairro Calhau | CEP: 65.071-322 | São Luís - Maranhão