Como o resultado das eleições nos EUA afeta o seu bolso

Cotações e Índices

Moedas - 10/12/2019 12:59:41
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 4,144
  • 4,145
  • Paralelo
  • 4,110
  • 4,340
  • Turismo
  • 4,100
  • 4,350
  • Euro
  • 4,592
  • 4,595
  • Iene
  • 0,038
  • 0,038
  • Franco
  • 4,183
  • 4,184
  • Libra
  • 5,437
  • 5,439
  • Ouro
  • 194,910
  •  
Mensal - 03/12/2019
  • Índices
  • Set
  • Out
  • Inpc/Ibge
  • -0,05
  • 0,04
  • Ipc/Fipe
  • -
  • 0,16
  • Ipc/Fgv
  • -
  • -0,09
  • Igp-m/Fgv
  • -0,01
  • 0,68
  • Igp-di/Fgv
  • 0,50
  • 0,55
  • Selic
  • 0,46
  • 0,48
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,59
  • 0,59
  • TR
  • -
  • -

Obrigações Tributárias do Dia

  • 10/Dezembro/2019
  • Comprovante de Juros sobre o Capital Próprio-PJ.
  • IPI | Imposto sobre Produtos Industrializados.
  • Envio da Guia da Previdência Social aos Sindicatos.
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

As expectativas sobre quem será o sucessor de Barack Obama na presidência dos Estados Unidos vem movimentando o mundo inteiro. O resultado terá um grande peso político e econômico globalmente. Em um olhar mais superficial sobre o tema, muitos podem não ter uma noção clara sobre o impacto no bolso do investidor brasileiro e nas finanças pessoais do cidadão comum.
 
Por enquanto, a maior parte das pesquisas apontam a liderança pequena da democrata Hillary Clinton para a presidência. Se o resultado for confirmado nas urnas, melhor para todos. A eleição do republicano Donald Trump representaria um forte baque econômico mundialmente. 
 
A postura conservadora e o viés protecionista reforçado por ele em sua campanha criariam um ambiente hostil para negócios entre Brasil e Estados Unidos. Em algumas ocasiões Trump reforçou que, se eleito, iria impor tarifas de 45% a produtos chineses e 35% a produtos mexicanos. Estudo feito pelo Peterson Institute for International Economics (PIIE) apontou que o protecionismo de Trump pode acabar com quatro milhões de empregos nos Estados Unidos. Além disso, o instituto aponta que o país poderia ser arrastado para uma recessão econômica em 2019. 
 
Com a expectativa de um forte protecionismo, o primeiro efeito que poderia ser sentido no Brasil seria a retirada de recursos de investidores estrangeiros. Esse ambiente hostil para negociações com os Estados Unidos acarretaria em um cenário menos prospero para empresas brasileiras. Como consequência, os investidores tenderiam a retirar investimentos alocados no país e o dólar se valorizaria em relação ao real. 
 
Como vimos na semana passada, em função da crise econômica no Brasil, dólar caro representa pressão inflacionária - que acaba atingindo todas as classes sociais. 
 
Por ora, torcer por um resultado favorável aos democratas é o melhor aceno que temos para a economia mundial. Independentemente do resultado lá fora, vale ressaltar que os investimentos em ativos atrelados ao dólar e ações na Bolsa de Valores são extremamente susceptíveis a fortes oscilações em função de conjunturas políticas. Sendo assim, neste momento, o ideal buscar um porto seguro e optar por aplicações de renda fixa.

Fonte: g1.globo.com - 07 de Novembro de 2016


Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Visitas ao site: 61568
Leal Contábil e Consultoria  |  Fone 98. 3312 6092  Avenida Colares Moreira, Quadra 28, Lote 07
Edifício Vinicius de Moraes, sala 901 | Bairro Calhau | CEP: 65.071-322 | São Luís - Maranhão