Negociação de dólares cai 17,95% no Brasil em novembro

Cotações e Índices

Moedas - 24/05/2019 13:15:31
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 4,026
  • 4,028
  • Paralelo
  • 4,020
  • 4,210
  • Turismo
  • 3,870
  • 4,190
  • Euro
  • 4,509
  • 4,511
  • Iene
  • 0,037
  • 0,037
  • Franco
  • 4,020
  • 4,020
  • Libra
  • 5,114
  • 5,117
  • Ouro
  • 166,100
  •  
Mensal - 06/05/2019
  • Índices
  • Fev
  • Mar
  • Inpc/Ibge
  • 0,54
  • 0,77
  • Ipc/Fipe
  • 0,54
  • 0,51
  • Ipc/Fgv
  • 0,35
  • 0,65
  • Igp-m/Fgv
  • 0,88
  • 1,26
  • Igp-di/Fgv
  • 1,25
  • 1,07
  • Selic
  • 0,49
  • 0,47
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,59
  • 0,59
  • TR
  • -
  • -

Obrigações Tributárias do Dia

  • 31/Maio/2019
  • IOF | Imposto sobre Operações Financeiras
  • COFINS/PIS-PASEP | Retenção na Fonte – Autopeças
  • IRPJ/CSL | Imposto de Renda Pessoa Jurídica e da Contribuição Social sobre o Lucro | Apuração mensal
  • IRPJ/CSL | Imposto de Renda Pessoa Jurídica e da Contribuição Social sobre o Lucro | Apuração trimestral
  • IRPJ | Imposto de Renda Pessoa Jurídica | Renda variável
  • IRPJ/Simples Nacional | Ganho de Capital na alienação de Ativos
  • IRPF | Imposto de Renda Pessoa Física
  • FINOR/FINAM/FUNRES | Apuração mensal
  • FINOR/FINAM/FUNRES | Apuração trimestral
  • REFIS/PAES | Programa de Recuperação Fiscal
  • REFIS | Programa de Recuperação Fiscal
  • PAEX 1 | Parcelamento Excepcional
  • PAEX 2 | Parcelamento Excepcional
  • Simples Nacional | Parcelamento Especial
  • INSS | Previdência Social | Simples Nacional | Parcelamento Especial
  • Previdência Social (INSS) | Programa de Modernização da Gestão e de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro | Profut || Parcelamento de débitos junto à RFB e à PGFN
  • Previdência Social (INSS) | Programa de Recuperação Previdenciária dos Empregadores Domésticos - Redom (Parcelamento de débitos em nome do empregado e do empregador domésticos junto à PGFN e à RFB)
  • DOI | Declaração de Operações Imobiliárias
  • DME | Declaração de Operações Liquidadas com Moeda em Espécie
  • IRPF - Imposto de Renda sobre a Pessoa Física
  • Contribuição Sindical (empregados)
  • Escrituração Contábil Digital (ECD)
  • Salário-família | Comprovante de frequência à escola
  • Declaração Anual do Simples Nacional (DASN-Simei/2018)
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

Depois de começar o dia em alta, o dólar norte-americano inverteu o movimento e fechou no menor valor em mais de um mês. O dólar comercial encerrou esta segunda-feira (12/12) vendido a R$ 3,346, com queda de 0,81%. A cotação está no menor nível desde 9 de novembro (R$ 3,21).

A divisa acumula queda de 1,2% em novembro e de 15,3% no ano. O dólar caiu na véspera da votação, em segundo turno, da proposta de emenda à Constituição que limita os gastos públicos pelos próximos 20 anos. No cenário externo, o câmbio foi influenciado pela forte alta do preço do petróleo nos mercados internacionais após a Organização Produtora dos Países de Petróleo (Opep) anunciar que vai reduzir a produção em 2017.

Nesta semana, o Federal Reserve (Fed), o Banco Central dos Estados Unidos, define os juros da maior economia do planeta. Na ata da reunião anterior, no início de novembro, o Fed indicou que pode aumentar os juros norte-americanos, influenciando a cotação do dólar em todo o planeta.

A negociação de dólares no Brasil somou US$ 174,716 bilhões em novembro, conforme dados divulgados nesta segunda-feira (12/12) pelo Banco Central. 

O montante foi 17,95% menor que o verificado em outubro, quando US$ 212,940 bilhões foram negociados. 

No acumulado do ano até novembro, as transações com a divisa atingiram US$ 2,269 trilhões, ou 10,25% a menos que o visto no mesmo período do ano passado.

As negociações de dólares verificadas em novembro deste ano ocorreram num período em que a moeda americana, no mercado a vista, subiu 6,18% ante o real, para R$ 3,3878. 

A ptax (cotação do Banco Central) do período avançou 6,78%, aos R$ 3,3967. De acordo com os dados do Banco Central, em novembro foram realizadas 601,9 mil operações com a moeda norte-americana.

Os negócios com dólares dependem muito da variação da própria moeda. Nos meses em que a cotação apresenta oscilações maiores, o volume negociado também costuma aumentar, porque muitos agentes aproveitam a oportunidade para vender ou comprar divisas, de acordo com suas necessidades. 

Em outubro, no entanto, os negócios com a moeda americana foram inflados pelo processo de repatriação de recursos, cujo prazo limite para adesão foi o dia 31 daquele mês.

Em 2016, as transações somaram US$ 176,198 bilhões em janeiro; US$ 179,399 bilhões em fevereiro; US$ 269,754 bilhões em março (recorde do ano); US$ 207,786 bilhões em abril; US$ 197,164 bilhões em maio; US$ 241,084 bilhões em junho; US$ 198,866 bilhões em julho; US$ 191,925 bilhões em agosto; US$ 220,960 bilhões em setembro; e US$ 212,9 bilhões em outubro.

Em novembro, do total de US$ 174,716 bilhões, trocaram de mãos no mercado primário, também conhecido como mercado de varejo, o equivalente a US$ 100,973 bilhões. 

Este segmento é formado pelas negociações feitas por governos, empresas ou famílias diretamente com o exterior. 

As informações que são capturadas nessas operações geralmente constam do balanço de pagamentos, que o Banco Central detalha todo fim de mês.
 
No primário, as exportações movimentaram US$ 14,170 bilhões e as importações, US$ 10,077 bilhões. As transferências do exterior atingiram um total de US$ 38,351 bilhões e as para o exterior, de US$ 38,374 bilhões.

Já o mercado interbancário rodou US$ 73,743 bilhões no mês passado. Neste segmento, as compras somaram US$ 36,872 bilhões e as vendas, US$ 36,871 bilhões. 

Esse mercado secundário é composto por transações feitas entre instituições financeiras. Fazem parte dessas operações os registros de contratos de arbitragem fechados no Brasil e no exterior, bem como as operações realizadas diretamente com o Banco Central.

O Banco Santander segue na liderança da maior movimentação de dólares no país. Segundo o BC, a instituição comercializou no mês passado US$ 25,246 bilhões em 71,9 mil operações. 

Em segundo lugar aparece o Citibank, com US$ 21,340 bilhões distribuídos em 29,1 mil negócios. Na sequência vieram Itaú Unibanco, com U$ 18,053 bilhões em 103,1 mil contratos, e Bradesco, com US$ 17,107 bilhões e 80,6 mil operações.

NO ANO
No acumulado do ano até novembro, o mercado interbancário foi responsável pela movimentação de US$ 1,146 trilhão e o mercado primário, por US$ 1,123 trilhão. Neste período, o Santander seguiu como o maior negociador de dólares do país (US$ 316,871 bilhões em 771,7 mil operações).

Fonte: dcomercio.com.br


Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Visitas ao site: 55701
Leal Contábil e Consultoria  |  Fone 98. 3312 6092  Avenida Colares Moreira, Quadra 28, Lote 07
Edifício Vinicius de Moraes, sala 901 | Bairro Calhau | CEP: 65.071-322 | São Luís - Maranhão