Mercado prevê taxa de juros em 1 dígito até o fim de 2021

Cotações e Índices

Moedas - 23/01/2019 14:00:22
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,804
  • 3,805
  • Paralelo
  • 3,770
  • 3,970
  • Turismo
  • 3,650
  • 3,960
  • Euro
  • 4,330
  • 4,331
  • Iene
  • 0,035
  • 0,035
  • Franco
  • 3,819
  • 3,819
  • Libra
  • 4,969
  • 4,972
  • Ouro
  • 155,000
  •  
Mensal - 06/12/2018
  • Índices
  • Set
  • Out
  • Inpc/Ibge
  • 0,21
  • 0,40
  • Ipc/Fipe
  • 0,39
  • 0,48
  • Ipc/Fgv
  • 0,34
  • 0,48
  • Igp-m/Fgv
  • 1,52
  • 0,89
  • Igp-di/Fgv
  • -
  • 0,26
  • Selic
  • 0,47
  • 0,54
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,55
  • 0,55
  • TR
  • -
  • -

Obrigações Tributárias do Dia

  • 25/Janeiro/2019 – 6ª Feira.
  • COFINS.
  • PIS/Pasep.
  • IPI | Imposto sobre Produtos Industrializados.
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

A abertura dos dados do Relatório de Mercado Focus, divulgado na manhã desta segunda-feira, 16, pelo Banco Central, mostra que os economistas projetam a Selic (a taxa básica de juros da economia) em um dígito pelo menos até o fim de 2021. 

As projeções indicam uma Selic em 9,75% ao ano no fim de 2017; em 9,50% no fim de 2018; em 9,25% no fim de 2019; em 9,00% no fim de 2020; e em 9,00% no fim de 2021. Atualmente, a taxa está em 13,00% ao ano.

O relatório Focus também aponta que os economistas do mercado reduziram levemente suas projeções para a inflação neste ano. A mediana para o IPCA - o índice oficial de inflação - em 2017 foi de 4,81% para 4,80%. Há um mês, estava em 4,90%. 

Já a projeção para o IPCA de 2018 permaneceu em 4,50%, mesmo patamar de quatro semanas atrás. Esta foi a primeira vez que o BC publicou, no relatório, os dados referentes ao próximo ano.

Os dados indicam que a inflação brasileira ficará abaixo de 4,5% em 2021, em 4,47%. Esta foi a primeira vez que foram divulgados números referentes à inflação de 2021. 

Na quarta-feira passada, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que o IPCA em 2016 ficou em 6,29%. O porcentual ficou dentro do intervalo da meta perseguida pelo BC, de 4,5% com margem de tolerância de 2,0 pontos porcentuais (inflação até 6,5%). Os preços mais acomodados, somados à forte recessão que atinge a economia, fizeram o BC anunciar, no mesmo dia, o corte da taxa básica de juros, a Selic, de 13,75% para 13,00% ao ano.

PIB. Na esteira do corte de juros e da divulgação do Índice de Atividade do Banco Central (IBC-Br) de novembro, na semana passada, o Relatório de Mercado Focus indicou manutenção nas projeções de atividade para 2017 e leve piora para 2018. Pelo documento divulgado hoje, a mediana para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2017 seguiu com alta de 0,50%. Há um mês, a perspectiva era de avanço de 0,58%. 

Para 2018, o mercado reduziu a previsão de alta de 2,30% para avanço de 2,20% no PIB. Quatro semanas atrás, a expectativa estava em 2,30%. 
Câmbio. O Relatório Focus mostrou que a cotação da moeda americana estará em R$ 3,40 no encerramento de 2017, ante os R$ 3,45 esperados uma semana atrás. Há um mês, estava nos R$ 3,49. O câmbio médio de 2017 foi de R$ 3,39 para R$ 3,36, ante R$ 3,42 de um mês antes.

No caso de 2018, a projeção para o câmbio no fim do ano seguiu em R$ 3,50. Quatro semanas antes, estava no mesmo patamar. Já a projeção para o câmbio médio no próximo ano foi de R$ 3,46 para R$ 3,45, ante R$ 3,49 de quatro semanas atrás.

Fonte: economia.estadao.com.br


Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Visitas ao site: 51793
Leal Contábil e Consultoria  |  Fone 98. 3312 6092  Avenida Colares Moreira, Quadra 28, Lote 07
Edifício Vinicius de Moraes, sala 901 | Bairro Calhau | CEP: 65.071-322 | São Luís - Maranhão