Mais um incentivo à indisciplina fiscal?

Cotações e Índices

Moedas - 20/05/2019 16:23:22
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 4,102
  • 4,103
  • Paralelo
  • 4,060
  • 4,270
  • Turismo
  • 3,940
  • 4,270
  • Euro
  • 4,580
  • 4,582
  • Iene
  • 0,037
  • 0,037
  • Franco
  • 4,069
  • 4,068
  • Libra
  • 5,220
  • 5,222
  • Ouro
  • 166,310
  •  
Mensal - 06/05/2019
  • Índices
  • Fev
  • Mar
  • Inpc/Ibge
  • 0,54
  • 0,77
  • Ipc/Fipe
  • 0,54
  • 0,51
  • Ipc/Fgv
  • 0,35
  • 0,65
  • Igp-m/Fgv
  • 0,88
  • 1,26
  • Igp-di/Fgv
  • 1,25
  • 1,07
  • Selic
  • 0,49
  • 0,47
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,59
  • 0,59
  • TR
  • -
  • -

Obrigações Tributárias do Dia

  • 20/maio/2019
  • IRRF | Imposto de Renda Retido na Fonte
  • Cofins/CSL/PIS-Pasep | Retenção na Fonte
  • COFINS/PIS-Pasep | Entidades financeiras
  • INSS | Previdência Social
  • EFD - Contribuintes do IPI | Pernambuco e Distrito Federal
  • Simples Nacional
  • IRPJ/CSL/PIS/COFINS | Incorporações imobiliárias | Regime Especial de Tributação – PMCMV
  • IRPJ/CSL/PIS/COFINS | Incorporações imobiliárias | Regime Especial de Tributação - RET
  • Previdência Social (INSS) | Parcelamento excepcional de débitos de Pessoas Jurídicas
  • Parcelamento especial da Contribuição Social do salário-educação
  • Previdência Social (INSS) | Parcelamento Especial de Débitos - PAES
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

O governo federal deve anunciar ainda nesta semana o primeiro acordo com governadores para tirar da UTI as finanças de alguns estados onde as despesas ultrapassaram em muito as receitas. O mais avançado é com o governo do Rio de Janeiro, que em troca da ajuda de alguns bilhões privatizará estatais e apertará o funcionalismo público, com maior contribuição à deficitária previdência dos servidores. Também estão em negociação adiantada os acordos com os governos do Rio Grande do Sul e Minas Gerais. Outros devem entrar na fila, é só questão de tempo. O desequilíbrio das contas estaduais dificulta a retomada da economia, e o Planalto sabe disso.

Só 18 anos depois da LRF

O socorro aos estados acontece só 18 anos após a criação da Lei Complementar 101, de 4 de maio de 2000, a Lei de Responsabilidade Fiscal, cantada em prosa e verso pelo governo FHC, aliados e até oposição - o PT inclusive - como o grande instrumento para impor ao setor público - estados e municípios, principalmente - uma disciplina fiscal. Vários artigos da legislação preveem limite dos principais gastos públicos em relação à arrecadação, e colocam certo freio no endividamento. Até uma lei de crimes fiscais para punir gestores públicos descumpridores da lei foi aprovada.

Recado a novos governadores

Muito se discutiu sobre as novas leis, mas, como sempre, a fiscalização não ocorreu e as contas estouraram. O doutor em Ciência Política pela Universidade da Califórnia e consultor da GO Associados, Lucas Novaes, defende que o governo federal envie um sinal inequívoco de que contas estaduais não serão sanadas no futuro por socorros financeiros como os do passado e presente. "Se aproveitar essa oportunidade para mandar esse recado para futuros governadores, o poder central colocará em prática incentivos corretos aos governos subnacionais", diz.

Bolsa poderá atingir...

Apenas uma maior de instabilidade política ou atraso na mudança da taxa de juros poderiam dificultar o caminho até os 74 mil pontos, acredita Alexandre Wolwacz, do Grupo L&S. A redução da taxa de juros e o início de um reaquecimento econômico tendem a beneficiar a bolsa de valores, que no momento opera em uma tendência de alta. Esses fatores indicam boas chances da bolsa de valores atingir o topo histórico, ainda neste ano de 2017. Nos primeiros quinze dias do ano o ibovespa subiu 7.7%, sendo considerada a melhor primeira quinzena dos últimos 10 anos.

... topo histórico

"Isso abre a chance de alguma realização de lucro maior", comenta Wolwacz. Segundo o especialista, o mercado ainda está aguardando a realização das reformas trabalhista e previdenciária sinalizadas pelo Governo, e isso será fundamental para que esse topo se repita. Mudanças no cenário político vindas de operações como a lava jato também podem influenciar. "Apenas um retorno maior de instabilidade política ou atraso na mudança da taxa de juros poderia dificultar o caminho até o topo histórico de 74 mil pontos", comenta Wolwacz.

Fonte: dci.com.br


Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Visitas ao site: 55429
Leal Contábil e Consultoria  |  Fone 98. 3312 6092  Avenida Colares Moreira, Quadra 28, Lote 07
Edifício Vinicius de Moraes, sala 901 | Bairro Calhau | CEP: 65.071-322 | São Luís - Maranhão