Lei da Gorjeta: PL de ex-deputado Gilmar Machado é aprovado

Cotações e Índices

Moedas - 21/11/2019 08:08:43
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 4,203
  • 4,204
  • Paralelo
  • 4,160
  • 4,400
  • Turismo
  • 4,150
  • 4,410
  • Euro
  • 4,645
  • 4,649
  • Iene
  • 0,034
  • 0,034
  • Franco
  • 3,767
  • 3,770
  • Libra
  • 4,786
  • 4,792
  • Ouro
  • 198,420
  •  
Mensal - 23/09/2019
  • Índices
  • Jul
  • Ago
  • Inpc/Ibge
  • 0,10
  • 0,12
  • Ipc/Fipe
  • 0,14
  • 0,33
  • Ipc/Fgv
  • 0,31
  • 0,17
  • Igp-m/Fgv
  • 0,40
  • -0,67
  • Igp-di/Fgv
  • -0,01
  • -0,51
  • Selic
  • 0,53
  • 0,49
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,59
  • 0,59
  • TR
  • -
  • -

Obrigações Tributárias do Dia

  • 22/Novembro/2019
  • DCTF Mensal | Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais.
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

Um Projeto de Lei (PL) de 2007, intitulado “Lei da Gorjeta”, de autoria do ex-prefeito de Uberlândia, Gilmar Machado, na época deputado federal pelo PT, foi aprovado nesta terça-feira (21) na Câmara dos Deputados e agora segue para sanção do presidente Michel Temer (PMDB).

Se sancionado, parte dos 10% cobrados em alguns locais como taxa de serviço iriam para o estabelecimento para pagamento dos encargos trabalhistas do garçom.

Pelo projeto, a chamada “gorjeta” deverá ser destinada aos trabalhadores e integrada aos salários desses funcionários. O pagamento será anotado na carteira de trabalho e no contra-cheque e a distribuição será feita segundo critérios definidos em convenção ou acordo coletivo de trabalho.

Segundo o ex-prefeito Gilmar Machado, este é um debate antigo e a lei não atende apenas os garçons, mas toda a cadeia de bares e restaurantes, devendo proteger trabalhadores e empresários, já que não havia uma regulamentação. Agora, ainda de acordo com Gilmar, tudo será contabilizado com o pagamento, tendo reflexo na aposentadoria.

Para Adélio Braz Tinoco, presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) em Uberlândia, a regulamentação traria benefícios para o empregado e para o empregador. “Regulamentando, o empresário vai poder contratar novos garçons e ter uma porcentagem para que os custos não fiquem tão complicados para o empresário. O custo final de um garçom quando o empresário paga os 10% totalmente revertidos fica muito oneroso”, opinou.

Enquanto a lei não é sancionada, o Ministério Público (MP) sugere que os bares e restaurantes parem de cobrar a taxa. O MP esclarece que, se os 10% forem cobrados, o valor deve ir integralmente para o garçom e não seja dividido com a casa, como propõe o projeto de lei.

Fonte: g1.globo.com


Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Visitas ao site: 61032
Leal Contábil e Consultoria  |  Fone 98. 3312 6092  Avenida Colares Moreira, Quadra 28, Lote 07
Edifício Vinicius de Moraes, sala 901 | Bairro Calhau | CEP: 65.071-322 | São Luís - Maranhão