Notebooks estão sendo proibidos em voos dos Estados Unidos e Europa

Cotações e Índices

Moedas - 22/03/2019 13:21:04
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,888
  • 3,889
  • Paralelo
  • 3,820
  • 4,030
  • Turismo
  • 3,730
  • 4,040
  • Euro
  • 4,391
  • 4,393
  • Iene
  • 0,035
  • 0,035
  • Franco
  • 3,915
  • 3,914
  • Libra
  • 5,136
  • 5,137
  • Ouro
  • 159,000
  •  
Mensal - 14/02/2019
  • Índices
  • Dez
  • Jan
  • Inpc/Ibge
  • 0,14
  • 0,36
  • Ipc/Fipe
  • 0,09
  • 0,58
  • Ipc/Fgv
  • 0,21
  • 0,57
  • Igp-m/Fgv
  • -0,49
  • 0,01
  • Igp-di/Fgv
  • -0,45
  • 0,07
  • Selic
  • 0,49
  • 0,54
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,56
  • -
  • TR
  • -
  • -

Obrigações Tributárias do Dia

  • 25/Março/2019
  • DCTF Mensal | Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais
  • DCTF - Inativa | Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais
  • IRRF | Imposto de Renda Retido na Fonte
  • COFINS
  • PIS/Pasep
  • IPI | Imposto sobre Produtos Industrializados
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

Há alguns meses, os Estados Unidos estão proibindo as pessoas provenientes de países do Oriente Médio de embarcarem nos aviões com dispositivos móveis maiores que os smartphones, o que significa que notebook precisam ser despachados junto com a bagagem. Agora chegou a vez da Europa entrar na lista de restrições.

Segundo o governo norte-americano, as medidas visam a segurança dos passageiros, uma vez que os notebooks podem ser usados para esconder explosivos. Em 2015 e 2016 foram registradas duas bombas dentro das cabines, uma no voo russo Metrojet, que estava saindo do Egito, e outra no Daallo Airlines, na Somália.

Os notebooks entraram na mira da luta contra o terrorismo porque os equipamentos de raio X não são capazes de distinguir um material explosivo de uma bateria e parte dos produtos usados não são detectados pelos cães de guarda. Além disso, o fato de o equipamento ser maior que um smartphone, permite esconder uma quantidade de explosivos maior.

Sendo despachado com o resto da bagagem, o criminoso precisaria acionar remotamente a bomba e as chances de falhas por conta de interferência são maiores. A bomba também poderia ficar embaixo de outras malas, o que evitaria danos maiores caso fosse acionada, enquanto que na cabina é possível causar uma rápida despressurização se o equipamento estiver perto de uma janela.

No entanto, os passageiros podem esperar por um aumento no número de notebooks roubados, perdidos ou danificados caso sejam obrigados a despachar os seus dispositivos móveis.

Fonte: olhardigital.com


Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Visitas ao site: 53370
Leal Contábil e Consultoria  |  Fone 98. 3312 6092  Avenida Colares Moreira, Quadra 28, Lote 07
Edifício Vinicius de Moraes, sala 901 | Bairro Calhau | CEP: 65.071-322 | São Luís - Maranhão