Venda de smartphones cresceu no Brasil durante Q1 — e deve continuar

Cotações e Índices

Moedas - 22/03/2019 13:21:04
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,888
  • 3,889
  • Paralelo
  • 3,820
  • 4,030
  • Turismo
  • 3,730
  • 4,040
  • Euro
  • 4,391
  • 4,393
  • Iene
  • 0,035
  • 0,035
  • Franco
  • 3,915
  • 3,914
  • Libra
  • 5,136
  • 5,137
  • Ouro
  • 159,000
  •  
Mensal - 14/02/2019
  • Índices
  • Dez
  • Jan
  • Inpc/Ibge
  • 0,14
  • 0,36
  • Ipc/Fipe
  • 0,09
  • 0,58
  • Ipc/Fgv
  • 0,21
  • 0,57
  • Igp-m/Fgv
  • -0,49
  • 0,01
  • Igp-di/Fgv
  • -0,45
  • 0,07
  • Selic
  • 0,49
  • 0,54
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,56
  • -
  • TR
  • -
  • -

Obrigações Tributárias do Dia

  • 25/Março/2019
  • DCTF Mensal | Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais
  • DCTF - Inativa | Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais
  • IRRF | Imposto de Renda Retido na Fonte
  • COFINS
  • PIS/Pasep
  • IPI | Imposto sobre Produtos Industrializados
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

De acordo com o IDC Mobile Phone Tracker Q1, as vendas de celulares começaram a se recuperar nos três primeiros meses de 2017. O estudo diz que foram comercializados 12,4 milhões de celulares entre janeiro e março deste ano, um crescimento de 25,4% em comparação com o mesmo período de 2016. 
Sobre receitas, o mercado de smartphones movimentou R$ 13,3 bilhões nestes meses, 22,6% a mais do o Q1 de 2016 — que gerou R$ 10,9 bilhões. Especificamente sobre feature phones (ou dumbphones), ocorreu uma queda de 22%: foram movimentados R$ 108 milhões.
Leonardo Munin, analista de pesquisa do mercado de celulares da IDC para América Latina, comentou o seguinte: "O pior momento do mercado de celulares no Brasil, vivido no início de 2016, foi superado e, dos últimos dez meses, em nove houve aumento de vendas. O dólar em alta, as alterações na MP do Bem e as incertezas político-econômicas do país, que resultaram em estratégias mais conservadoras por parte dos fabricantes, fizeram com que o setor apresentasse queda. Já no primeiro trimestre deste ano, além da estabilização da moeda norte-americana, o que mais influenciou o crescimento nas vendas foram os lançamentos de marcas importantes por preços similares às versões anteriores e o resgate das contas inativas do FGTS".
O tíquete médio de celulares também aumentou de R$ 1.179 para R$1.142, mostrando que os consumidores estão buscando aparelhos mais em conta. "A venda de aparelhos com preço acima de R$ 1300 foi a que mais cresceu entre janeiro e março, passando de 18,8%, em 2016, para 25,5%, em 2017. Pela primeira vez essa faixa de preço ficou atrás apenas dos celulares com preços entre R$ 700 a R$ 999, que representaram 49% do mercado”, ressalta Munin.
Espera-se que, no resto deste ano, o Brasil mantenha o ritmo e tenha um aumento de 7,2% no mercado total. Munin diz o seguinte sobre o resto do ano:
"Devemos ter 47 milhões de smartphones vendidos e 4,2 milhões de feature phones até o fim de 2017. As fabricantes estão com estratégias bem competitivas, o que fomenta as vendas. Além disso, temos uma base de 121 milhões de smartphones no Brasil e o número de aparelhos antigos é grande. Isso pode fazer com que os usuários busquem modelos mais novos e, consequentemente, impulsione as vendas".

fonte: tecmundo.com


Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Visitas ao site: 53369
Leal Contábil e Consultoria  |  Fone 98. 3312 6092  Avenida Colares Moreira, Quadra 28, Lote 07
Edifício Vinicius de Moraes, sala 901 | Bairro Calhau | CEP: 65.071-322 | São Luís - Maranhão