Apple, Amazon e Foxconn se unem para comprar divisão de chips da Toshiba

Cotações e Índices

Moedas - 22/01/2019 16:49:35
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,796
  • 3,798
  • Paralelo
  • 3,760
  • 3,950
  • Turismo
  • 3,650
  • 3,950
  • Euro
  • 4,315
  • 4,317
  • Iene
  • 0,035
  • 0,035
  • Franco
  • 3,809
  • 3,810
  • Libra
  • 4,922
  • 4,923
  • Ouro
  • 154,000
  •  
Mensal - 06/12/2018
  • Índices
  • Set
  • Out
  • Inpc/Ibge
  • 0,21
  • 0,40
  • Ipc/Fipe
  • 0,39
  • 0,48
  • Ipc/Fgv
  • 0,34
  • 0,48
  • Igp-m/Fgv
  • 1,52
  • 0,89
  • Igp-di/Fgv
  • -
  • 0,26
  • Selic
  • 0,47
  • 0,54
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,55
  • 0,55
  • TR
  • -
  • -

Obrigações Tributárias do Dia

  • 23/Janeiro/2019 – 4ª Feira.
  • IOF | Imposto sobre Operações Financeiras.
  • IRRF | Imposto de Renda Retido na Fonte.
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

Enfrentando dificuldades financeiras após decretar a falência de sua subsidiária Westinhouse, a Toshiba pode ter encontrado um grupo capaz de comprar sua lucrativa divisão de chips de memória. Segundo relatos divulgados pelo site Pocket Now, a Foxconn pode ter realizado um acordo com a Apple e com a Amazon para que as três empresas passem a ser donas do negócio.
O interesse das companhias no negócio é justificado pelo fato de que ele é responsável por produzir uma quantidade substancial das peças usadas em produtos como o iPhone e as máquinas que formam os centros de dados da Amazon. A união das empresas tornaria mais fácil justificar o investimento de mais de US$ 18 bilhões que seria necessário para tirar as fábricas das mãos da Toshiba.

O presidente da Foxconn, Terry Gou, reconhece o interesse em adquirir a divisão que fabrica chips de memória, mas não esclareceu qual valor está sendo negociado. Além do trio Foxconn/Amazon/Apple, nomes como Western Digital, SK Hynix e Kohlberg Kravis Roberts estão entre os interessados em tirar o negócio das mãos da Toshiba.

Entre as barreiras que surgem no caminho da negociação está o governo de Taiwan, que não deseja ver as plantas de fabricação deixando seu país — algo que Gou afirma que não vai acontecer. Para isso, ela cita o exemplo da divisão de painéis LCD da Sharp, adquirida em 2016 pela Foxconn, que não passou por qualquer mudança substancial em sua forma de operação.

fonte: tecmundo.com


Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Visitas ao site: 51756
Leal Contábil e Consultoria  |  Fone 98. 3312 6092  Avenida Colares Moreira, Quadra 28, Lote 07
Edifício Vinicius de Moraes, sala 901 | Bairro Calhau | CEP: 65.071-322 | São Luís - Maranhão