Produção nacional de petróleo avança pelo 3º ano em 2016, diz ANP

Cotações e Índices

Moedas - 21/05/2019 17:17:06
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 4,047
  • 4,048
  • Paralelo
  • 4,020
  • 4,240
  • Turismo
  • 3,880
  • 4,210
  • Euro
  • 4,512
  • 4,514
  • Iene
  • 0,037
  • 0,037
  • Franco
  • 4,003
  • 4,002
  • Libra
  • 5,134
  • 5,136
  • Ouro
  • 166,540
  •  
Mensal - 06/05/2019
  • Índices
  • Fev
  • Mar
  • Inpc/Ibge
  • 0,54
  • 0,77
  • Ipc/Fipe
  • 0,54
  • 0,51
  • Ipc/Fgv
  • 0,35
  • 0,65
  • Igp-m/Fgv
  • 0,88
  • 1,26
  • Igp-di/Fgv
  • 1,25
  • 1,07
  • Selic
  • 0,49
  • 0,47
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,59
  • 0,59
  • TR
  • -
  • -

Obrigações Tributárias do Dia

  • 22/Maio/2019
  • DCTF Mensal | Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

A produção nacional de petróleo cresceu 3,2% em 2016, pelo terceiro ano seguido, atingindo 2,5 milhões de barris por dia, segundo dados da Agência Nacional do Petróleo (ANP) divulgados nesta segunda-feira (3).

O principal motivo da elevação foi a oferta de petróleo do pré-sal, que alcançou a média de 1,0 milhão de barris por dia no ano passado, subindo 33,1%. A produção nacional de gás natural, por sua vez, cresceu 7,9%, alcançando 103,8 milhões de metros cúbicos por dia.

Segundo a ANP, a produção de gás natural do pré-sal segue aumentando sua participação no total nacional e correspondeu a 38,2% em 2016.

Como reflexo da maior produção nacional, em 2016 o Brasil reduziu sua necessidade de importação de petróleo em 44,9%, para média de 178,6 mil barris/dia, enquanto as exportações alcançaram o maior valor da série histórica, 798,2 mil barris/dia, aumento anual de 8,3%.

Vendas de derivados caem

No mercado interno, as vendas de derivados pelas distribuidoras registraram declínio de 2,5%. As vendas de óleo diesel apresentaram queda de 5,1%, contrastando com a elevação de 4,6% das vendas de gasolina C. Já a comercialização de etanol hidratado teve redução de 18,1%.

Já a produção nacional de derivados foi 6,3% menor que em 2015, com 2,0 milhões de barris por dia. Com isso, o volume de importações de derivados cresceu 10,1%, para 488,1 mil barris por dia. Apesar disso, em função da redução dos preços internacionais, houve um recuo do dispêndio com a importação em 15,2%.

Segundo a ANP, o crescimento das importações refletiu uma maior diversificação dos agentes na oferta interna de combustíveis, o que, por sua vez, "tende a contribuir com a ampliação das oportunidades de investimentos em infraestrutura de armazenamento e movimentação de petróleo, derivados e biocombustíveis", diz a agência.

Biocombustíveis

No setor de biocombustíveis, a produção total de etanol caiu 4,1% e a produção de biodiesel foi 3,5% inferior ao ano anterior, em decorrência da redução do consumo dos combustíveis.

O montante gerado de participações governamentais atingiu R$ 17,7 bilhões em 2016, sendo R$ 11,8 bilhões em royalties e R$ 5,9 bilhões em participação especial. Já o volume de obrigações relativas aos investimentos em pesquisa, desenvolvimento e inovação (P,D &I) foi de R$ 862 milhões.

Fonte: g1.globo


Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Visitas ao site: 55476
Leal Contábil e Consultoria  |  Fone 98. 3312 6092  Avenida Colares Moreira, Quadra 28, Lote 07
Edifício Vinicius de Moraes, sala 901 | Bairro Calhau | CEP: 65.071-322 | São Luís - Maranhão