Trabalhador prioriza pagamento de dívidas do cartão com FGTS inativo

Cotações e Índices

Moedas - 23/05/2019 16:29:44
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 4,048
  • 4,048
  • Paralelo
  • 4,010
  • 4,220
  • Turismo
  • 3,880
  • 4,210
  • Euro
  • 4,525
  • 4,527
  • Iene
  • 0,037
  • 0,037
  • Franco
  • 4,037
  • 4,036
  • Libra
  • 5,120
  • 5,125
  • Ouro
  • 164,140
  •  
Mensal - 06/05/2019
  • Índices
  • Fev
  • Mar
  • Inpc/Ibge
  • 0,54
  • 0,77
  • Ipc/Fipe
  • 0,54
  • 0,51
  • Ipc/Fgv
  • 0,35
  • 0,65
  • Igp-m/Fgv
  • 0,88
  • 1,26
  • Igp-di/Fgv
  • 1,25
  • 1,07
  • Selic
  • 0,49
  • 0,47
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,59
  • 0,59
  • TR
  • -
  • -

Obrigações Tributárias do Dia

  • 24/Maio/2019
  • COFINS
  • PIS/Pasep
  • IPI | Imposto sobre Produtos Industrializados
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

Mesmo com a intenção de pagar as contas atrasadas, apenas 14% dos trabalhadores conseguiram quitar todas as dívidas em atraso usando o saldo das contas inativas.

Com o dinheiro do saldo inativo do FGTS em mãos, 21% dos trabalhadores priorizaram, especificamente, o pagamento da fatura do cartão de crédito em atraso, segundo pesquisa da Boa Vista SCPC com 2.880 entrevistados de todo o Brasil em junho. Outros 16% optaram por pagar as contas de concessionárias, como água, luz, gás; 10% arcaram com o pagamento de empréstimo pessoal e consignado, e 10% quitaram dívidas com o cartão de loja.
A Caixa Econômica Federal liberou a partir de março o saque de contas inativas do FGTS. Os saques seguem um calendário de pagamentos de acordo com o aniversário do beneficiário. O prazo final é dia 31 de julho.
Do total dos trabalhadores entrevistados, 52% afirmaram ter direito ao saque de recursos das contas inativas do FGTS. Desses, antes do saque, 57% tinham em mente o pagamento de dívidas como o principal destino do recurso extra do Fundo de Garantia. Outros 17% pretendiam guardar o dinheiro e 11% antecipar o pagamento de contas e outras dívidas não atrasadas.
Na prática, não só os que afirmaram que pagariam dívidas, mas também os que disseram que fariam algo diferente, como fazer compras, poupar ou antecipar o pagamento das contas não atrasadas, usaram o recurso extra para quitar dívidas já vencidas (91%). Outros 3% pouparam; 2% anteciparam contas não atrasadas e 3% se dividiram entre compras de produtos e serviços, entre outras finalidades.
Mesmo com a intenção de pagar as contas atrasadas, como a maioria fez, apenas 14% dos trabalhadores conseguiram quitar todas as dívidas em atraso usando o saldo inativo do FGTS. Das contas que ficaram pendentes, o cartão de crédito representa 25%, empréstimo pessoal/consignado (12%), cartão de loja (10%), crediário (9%), contas de concessionárias (8%) e cheque especial (8%).
Feito o saque e o pagamento das dívidas atrasadas, 74% dos consumidores entrevistados conseguiram reassumir em parte ou totalmente o controle das finanças, em função do saque. Para 26%, entretanto, o valor sacado não foi suficiente para que pudessem ficar com as finanças pessoais em dia.

A Boa Vista também quis saber qual a opinião dos 48% dos entrevistados que disseram não ter direito ao resgate do saldo inativo. Desses, 61% afirmaram que, em primeiro lugar, pagariam as dívidas, caso tivessem direito ao saque. Já 17% poupariam e 12% antecipariam o pagamento de contas não atrasadas, como crediário, prestação da casa ou do carro.

fonte: g1.globo


Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Visitas ao site: 55578
Leal Contábil e Consultoria  |  Fone 98. 3312 6092  Avenida Colares Moreira, Quadra 28, Lote 07
Edifício Vinicius de Moraes, sala 901 | Bairro Calhau | CEP: 65.071-322 | São Luís - Maranhão