Câmara discute PL que proíbe circulação de cédula de dinheiro no Brasil

Cotações e Índices

Moedas - 25/03/2019 16:48:29
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,858
  • 3,859
  • Paralelo
  • 3,850
  • 4,060
  • Turismo
  • 3,700
  • 4,010
  • Euro
  • 4,363
  • 4,366
  • Iene
  • 0,035
  • 0,035
  • Franco
  • 3,888
  • 3,888
  • Libra
  • 5,089
  • 5,091
  • Ouro
  • 162,210
  •  
Mensal - 14/02/2019
  • Índices
  • Dez
  • Jan
  • Inpc/Ibge
  • 0,14
  • 0,36
  • Ipc/Fipe
  • 0,09
  • 0,58
  • Ipc/Fgv
  • 0,21
  • 0,57
  • Igp-m/Fgv
  • -0,49
  • 0,01
  • Igp-di/Fgv
  • -0,45
  • 0,07
  • Selic
  • 0,49
  • 0,54
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,56
  • -
  • TR
  • -
  • -

Obrigações Tributárias do Dia

  • 25/Março/2019
  • DCTF Mensal | Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais
  • DCTF - Inativa | Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais
  • IRRF | Imposto de Renda Retido na Fonte
  • COFINS
  • PIS/Pasep
  • IPI | Imposto sobre Produtos Industrializados
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

Tem se tornado cada vez mais comum utilizarmos cartões para as mais diversas atividades, de pagar contas a liberar a passagem na catraca do ônibus ou da estação de trem/metrô. Com isso, cada vez menos cédulas de dinheiro e moedas circulam por aí, e no que depender de um projeto que será discutido na Câmara dos Deputados nesta terça-feira (11), talvez usemos apenas os meios digitais para realizar as nossas transações financeiras no Brasil futuramente.
Segundo informações que estão correndo a rede, o Projeto de Lei 48/2015 é de autoria do deputado Reginaldo Lopes (PT-MG), e visa proibir a circulação de cédulas de dinheiro no país. Nas palavras do político, o avanço da tecnologia pode fazer com que mecanismos como o débito acabem se tornando uma tendência cada vez mais frequente, e por conta disso os bancos não poderiam cobrar nenhuma taxa sobre esse tipo de transação.

Com isso, as cédulas e moedas se transformariam literalmente em artigos de museu, o que possivelmente também colocaria “terroristas, sonegadores, lavadores de dinheiro, cartéis de drogas, assaltantes e corruptos” na “mira fácil do controle financeiro”, além de diminuir “práticas de crimes como assaltos a bancos, arrombamentos de caixas eletrônicos, assaltos a postos de gasolina, sequestros, saidinhas de banco e violência em geral”.

O texto também ressalta que tal medida seria útil para zerar os gastos com emissão de moeda, bem como transporte de valores. Caso queira ficar por dentro, a Comissão de Defesa do Consumidor agendou o debate para as 14h30 de hoje, e este contará com a participação de Ilan Goldfajn e Henrique Meirelles, presidente do Banco Central e Ministro da Fazenda, respectivamente.
Dados adicionais
No texto que serve como base para o Projeto de Lei, podemos encontrar dados que demonstram como as transações foram tomando novas formas com o passar dos anos.
“Em 2008, 33% das transações no Brasil eram feitas com cartões e, em 2012, esse número correspondia a 37%. A utilização de cheques caiu de 14% para 6%; já os débitos diretos subiram de 6% para 19% do total das transações sem dinheiro em espécie”, revela o texto.

fonte: tecmundo.com


Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Visitas ao site: 53400
Leal Contábil e Consultoria  |  Fone 98. 3312 6092  Avenida Colares Moreira, Quadra 28, Lote 07
Edifício Vinicius de Moraes, sala 901 | Bairro Calhau | CEP: 65.071-322 | São Luís - Maranhão