Ministério do Planejamento pode aumentar o valor da sua conta de celular

Cotações e Índices

Moedas - 22/03/2019 13:21:04
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,888
  • 3,889
  • Paralelo
  • 3,820
  • 4,030
  • Turismo
  • 3,730
  • 4,040
  • Euro
  • 4,391
  • 4,393
  • Iene
  • 0,035
  • 0,035
  • Franco
  • 3,915
  • 3,914
  • Libra
  • 5,136
  • 5,137
  • Ouro
  • 159,000
  •  
Mensal - 14/02/2019
  • Índices
  • Dez
  • Jan
  • Inpc/Ibge
  • 0,14
  • 0,36
  • Ipc/Fipe
  • 0,09
  • 0,58
  • Ipc/Fgv
  • 0,21
  • 0,57
  • Igp-m/Fgv
  • -0,49
  • 0,01
  • Igp-di/Fgv
  • -0,45
  • 0,07
  • Selic
  • 0,49
  • 0,54
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,56
  • -
  • TR
  • -
  • -

Obrigações Tributárias do Dia

  • 25/Março/2019
  • DCTF Mensal | Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais
  • DCTF - Inativa | Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais
  • IRRF | Imposto de Renda Retido na Fonte
  • COFINS
  • PIS/Pasep
  • IPI | Imposto sobre Produtos Industrializados
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

O Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão (MP), que hoje é encabeçado por Dyogo Henrique de Oliveira, sinalizou à Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) que pretende realizar um reajuste no Fistel, segundo apuração do Teletime. A informação é de que o governo Temer pretende aumentar a própria arrecadação no curto prazo.

Criado em 1966, o Fistel "destina-se a prover recursos para cobrir as despesas relacionadas à fiscalização dos serviços de telecomunicações, além de desenvolver os meios e aperfeiçoar a técnica necessária a essa atividade". Ou seja: uma taxa sobre linhas móveis (celular) oferecidas ao consumidor.

A situação será resolvida nas próximas semanas, com uma série de reuniões entre representantes de operadoras, companhias e governo. Em 2015, algo similar foi realizado, e a proposta de um reajuste de 189% não foi para frente. Na época, a taxa paga pelas operadoras de R$ 13,4 subiria para R$ 38,7 por cada linha móvel operante. Isso impactaria cerca de R$ 5 bilhões por ano para as empresas — e essa diferença, no final da conta, provavelmente sairia do seu bolso com um novo pequeno "reajuste de valores".

De acordo com o Teletime, "a Anatel já disse ao Planejamento que um aumento de carga tributária seria terrível para a recuperação da expansão do setor, que há quase dois anos vem perdendo base em quase todos os serviços, exceto banda larga". Dessa maneira, a Anatel se posiciona contra o reajuste que poderia ser repassado aos consumidores no final da ponta desta cadeia.
Por outro lado, as companhias brasileiras devem ficar preocupadas: o governo Temer possui um movimento de aumentar o PIS e o Cofins do setor de telecomunicações, além dos reajustes de ICMS que já foram realizados ano passado.

fonte: tecmundo.com


Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Visitas ao site: 53344
Leal Contábil e Consultoria  |  Fone 98. 3312 6092  Avenida Colares Moreira, Quadra 28, Lote 07
Edifício Vinicius de Moraes, sala 901 | Bairro Calhau | CEP: 65.071-322 | São Luís - Maranhão