Monitor do PIB da FGV mostra retração de 0,24% no 2º trimestre

Cotações e Índices

Moedas - 08/04/2020 15:41:59
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 5,153
  • 5,154
  • Paralelo
  • 4,500
  • 5,200
  • Turismo
  • 5,190
  • 5,500
  • Euro
  • 5,676
  • 5,681
  • Iene
  • 0,048
  • 0,048
  • Franco
  • 5,376
  • 5,381
  • Libra
  • 6,454
  • 6,460
  • Ouro
  • 276,980
  •  
Mensal - 04/03/2020
  • Índices
  • Jan/20
  • Dez/19
  • Inpc/Ibge
  • 0,19
  • 1,22
  • Ipc/Fipe
  • 0,29
  • 0,94
  • Ipc/Fgv
  • 0,59
  • 0,77
  • Igp-m/Fgv
  • 0,48
  • 2,09
  • Igp-di/Fgv
  • 0,09
  • 1,74
  • Selic
  • 0,38
  • 0,37
  • Poupança
  • 0,05
  • 0,05
  • TJLP
  • 5,09
  • 5,57
  • TR
  • -
  • -

Obrigações Tributárias do Dia

  • 09/Abril/2020 – 5ª Feira.
  • ICMS | Substituição tributária.
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

A economia brasileira teve retração de 0,24% no segundo trimestre na comparação com o primeiro trimestre, segundo dados do Monitor do PIB-FGV, divulgados pela Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta segunda-feira (21). A taxa interrompe a trajetória de recuperação observada no primeiro trimestre.

Com relação ao mesmo período do ano anterior, o PIB caiu 0,3%, segundo Claudio Considera, coordenador do Monitor do PIB-FGV, com destaque para o desempenho negativo da indústria (-1,8%), influenciado principalmente pela retração da construção (-7,4%).

Na taxa mensal, a atividade econômica apresentou retração de 1,2% no mês de junho após ter apresentado resultados positivos nos meses de março e abril.

Na taxa mensal com ajuste sazonal, o PIB apresentou crescimento de 2,65% em junho na comparação com maio, após ter recuado 5,79% em maio na comparação com abril.

O Monitor do PIB-FGV estima mensalmente o PIB brasileiro em volume, tendo como base a mesma metodologia das contas nacionais do IBGE.

Em termos monetários, o PIB acumulado em 2017 até o primeiro semestre, em valores correntes, alcançou a cifra aproximada de R$ 3,210 trilhões.

Veja o desempenho do PIB por setores:

Consumo das famílias

O consumo das famílias apresentou crescimento de 0,6% no segundo trimestre ante mesmo trimestre em 2016. Segundo a FGV, é a primeira variação positiva do componente após registrar nove trimestres consecutivos de queda. Apenas o consumo de serviços está com resultados negativos (-1%). O consumo de bens não duráveis cresceu 0,5%, o de semiduráveis 7,3% e o consumo de duráveis registrou crescimento de 3,8%.

Investimentos

A formação bruta de capital fixo, que mede o quanto as empresas aumentaram os seus bens de capital, ou seja, aqueles bens que servem para produzir outros bens, apresentou retração de 5,1% no segundo trimestre ante mesmo trimestre do ano anterior. O desempenho de máquinas e equipamentos continua em patamar positivo (0,4%), porém contribuiu pouco para a melhora do indicador. O componente de construção continua com forte queda (-9%).

Exportação

A exportação subiu 3,2%, com destaque positivo para o desempenho da exportação dos produtos da extrativa mineral (19,1%) e da exportação de bens de consumo duráveis (35,9%).

Entenda

Bens de capital
São aqueles usados na produção de outros bens, como máquinas, equipamentos, materiais de construção, instalações industriais.

Bens intermediários
São os comprados de outra empresa para o processo de produção, como uma bobina de aço adquirida de uma siderúrgica para a fabricação de um automóvel.

Bens de consumo duráveis
São aqueles que podem ser utilizados durante longos períodos, como automóveis e geladeira.

Bens de consumo semi-duráveis e não duráveis
Os semi-duráveis podem ser considerados os calçados e as roupas, que vão se desgastando aos poucos. Já os não duráveis são aqueles feitos para serem consumidos imediatamente, como os alimentos.

Fonte: g1.globo


Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Visitas ao site: 65278
Leal Contábil e Consultoria  |  Fone 98. 3312 6092  Avenida Colares Moreira, Quadra 28, Lote 07
Edifício Vinicius de Moraes, sala 901 | Bairro Calhau | CEP: 65.071-322 | São Luís - Maranhão