Confiança da indústria avança em agosto

Cotações e Índices

Moedas - 22/03/2019 13:21:04
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,888
  • 3,889
  • Paralelo
  • 3,820
  • 4,030
  • Turismo
  • 3,730
  • 4,040
  • Euro
  • 4,391
  • 4,393
  • Iene
  • 0,035
  • 0,035
  • Franco
  • 3,915
  • 3,914
  • Libra
  • 5,136
  • 5,137
  • Ouro
  • 159,000
  •  
Mensal - 14/02/2019
  • Índices
  • Dez
  • Jan
  • Inpc/Ibge
  • 0,14
  • 0,36
  • Ipc/Fipe
  • 0,09
  • 0,58
  • Ipc/Fgv
  • 0,21
  • 0,57
  • Igp-m/Fgv
  • -0,49
  • 0,01
  • Igp-di/Fgv
  • -0,45
  • 0,07
  • Selic
  • 0,49
  • 0,54
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,56
  • -
  • TR
  • -
  • -

Obrigações Tributárias do Dia

  • 25/Março/2019
  • DCTF Mensal | Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais
  • DCTF - Inativa | Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais
  • IRRF | Imposto de Renda Retido na Fonte
  • COFINS
  • PIS/Pasep
  • IPI | Imposto sobre Produtos Industrializados
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

Os empresários da indústria estão mais confiantes com a economia. O Índice de Confiança da Indústria (ICI) da Fundação Getulio Vargas avançou 1,4 ponto em agosto, para 92,2 pontos. Com o resultado, o índice praticamente retornou ao nível de maio, que registrou 92,3 pontos.

Segundo a FGV, a alta da confiança alcançou 11 dos 19 segmentos industriais e decorreu da melhora tanto das percepções sobre a situação atual, quanto das expectativas.

O Índice da Situação Atual (ISA) subiu 1,6 ponto, para 90,0 pontos, antingindo o maior valor desde maio de 2014. O Índice de Expectativas (IE) aumentou 1,0 ponto, para 94,4 pontos. Somadas, as altas registradas pelo IE em julho (1,3 ponto) e agosto ainda não foram suficientes para recuperar a perda registrada em junho, de 3,6 pontos.

Nível dos estoques

A principal influência para a alta do ISA em agosto veio da melhor percepção sobre o nível dos estoques, segundo a FGV. A parcela de empresas que avaliam os estoques como excessivos caiu de 12,1%, em julho, para 10,8% do total - a menor desde fevereiro de 2014 (9,1%).

Houve ainda o aumento da parcela de empresas que consideram o nível de estoques insuficiente, de 3,3% para 3,6% do total entre julho e agosto.

Apesar avanço no mês, a combinação das parcelas mostra que, após a piora consecutiva por quatro meses, as empresas continuam com estoques industriais indesejados em agosto, aponta a fundação.

Expectativas

As melhores perspectivas para a produção nos três meses seguintes tiveram a maior contribuição positiva de agosto dentre os componentes do Índice de Expectativas. Houve aumento da proporção de empresas prevendo produção maior, de 29,1% para 34,2% do total, e também aumento, em menor magnitude, da parcela das que preveem produção menor, de 17,7% para 20,2% do total.

Com o resultado, o indicador de produção prevista avançou 2,9 pontos, para 96,3 pontos, insuficiente para compensar a queda de 5,6 pontos no bimestre junho-julho.

Uso da capacidade instalada

O Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI) recuou 0,6 ponto percentual em agosto, para 74,1%, nível próximo ao de junho e inferior à média no ano, de 74,5%.

Fonte: g1.globo


Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Visitas ao site: 53311
Leal Contábil e Consultoria  |  Fone 98. 3312 6092  Avenida Colares Moreira, Quadra 28, Lote 07
Edifício Vinicius de Moraes, sala 901 | Bairro Calhau | CEP: 65.071-322 | São Luís - Maranhão