Governo vê janela para reforma da Previdência em 2017, diz ministro

Cotações e Índices

Moedas - 21/01/2019 16:20:23
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,759
  • 3,760
  • Paralelo
  • 3,750
  • 3,940
  • Turismo
  • 3,610
  • 3,910
  • Euro
  • 4,273
  • 4,275
  • Iene
  • 0,034
  • 0,034
  • Franco
  • 3,769
  • 3,769
  • Libra
  • 4,844
  • 4,847
  • Ouro
  • 153,410
  •  
Mensal - 06/12/2018
  • Índices
  • Set
  • Out
  • Inpc/Ibge
  • 0,21
  • 0,40
  • Ipc/Fipe
  • 0,39
  • 0,48
  • Ipc/Fgv
  • 0,34
  • 0,48
  • Igp-m/Fgv
  • 1,52
  • 0,89
  • Igp-di/Fgv
  • -
  • 0,26
  • Selic
  • 0,47
  • 0,54
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,55
  • 0,55
  • TR
  • -
  • -

Obrigações Tributárias do Dia

  • 22/Janeiro/2018 – 3ª Feira.
  • DCTF Mensal | Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais.
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

Dyogo Oliveira (Planejamento) admitiu que espaço para a reforma é pequeno, mas apontou que não há possibilidade de que mudanças na Previdência sejam feitas em 2018, ano de eleições.

O ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, avaliou nesta quarta-feira (18), em audiência no Tribunal de Contas da União (TCU), que ainda há uma "janela" para fazer a reforma da Previdência neste ano, após a análise da denúncia contra o presidente Michel Temer.
"Nesse ano acho que tem uma janela, assim que voltar a denúncia. Abre uma janela de pauta. Se ficar para o ano que vem, não tem nenhuma possibilidade", declarou.
Segundo ele, quanto mais rápido se fizer a reforma da Previdência, mais suave ela pode ser. Se demorar mais, acrescentou, a reforma terá de ser "mais dura".
Apesar de admitir que o espaço político para tocar essa reforma em 2017 é "pequeno", Oliveira disse que o atual governo, por não ter pretensões de reeleição, está disposto a enfrentar o debate nessa reta final do ano.
"Nossa agenda é nos concentramos nas reformas que o país precisa", declarou. De acordo com o ministro, é "inevitável" que se faça uma reforma da Previdência Social. Ele acrescentou que não há "plano B".
"Se digo que tem plano B, esquecem o plano A", afirmou. Para ele, não há desenvolvimento social sem equilíbrio econômico do Estado.
"Estado quebrado não é um ambiente para um crescimento econômico", concluiu.
Mais cedo, o ministro afirmou que com o aumento de gastos obrigatórios, principalmente os previdenciários, o governo está perdendo "capacidade gerencial" de atender às reais necessidades da população.
O Congresso discute proposta do governo Michel Temer para a reforma da Previdência. Um texto alterado pelo relator, deputado Arthur Maia (PPS-BA), chegou a ser aprovado na comissão especial sobre o assunto. Entretanto, desde a eclosão de denúncias envolvendo o presidente Michel Temer, em maio deste ano, o tema está parado no Legislativo.

fonte: g1.globo


Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Visitas ao site: 51738
Leal Contábil e Consultoria  |  Fone 98. 3312 6092  Avenida Colares Moreira, Quadra 28, Lote 07
Edifício Vinicius de Moraes, sala 901 | Bairro Calhau | CEP: 65.071-322 | São Luís - Maranhão