Confiança do comércio sobe 3,3 pontos em outubro, aponta FGV

Cotações e Índices

Moedas - 03/04/2020 16:13:48
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 5,294
  • 5,296
  • Paralelo
  • 4,470
  • 5,320
  • Turismo
  • 5,270
  • 5,580
  • Euro
  • 5,713
  • 5,716
  • Iene
  • 0,049
  • 0,049
  • Franco
  • 5,413
  • 5,417
  • Libra
  • 6,485
  • 6,491
  • Ouro
  • 272,060
  •  
Mensal - 04/03/2020
  • Índices
  • Jan/20
  • Dez/19
  • Inpc/Ibge
  • 0,19
  • 1,22
  • Ipc/Fipe
  • 0,29
  • 0,94
  • Ipc/Fgv
  • 0,59
  • 0,77
  • Igp-m/Fgv
  • 0,48
  • 2,09
  • Igp-di/Fgv
  • 0,09
  • 1,74
  • Selic
  • 0,38
  • 0,37
  • Poupança
  • 0,05
  • 0,05
  • TJLP
  • 5,09
  • 5,57
  • TR
  • -
  • -

Obrigações Tributárias do Dia

  • 09/Abril/2020 – 5ª Feira.
  • ICMS | Substituição tributária.
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

O Índice de Confiança do Comércio (Icom) avançou 3,3 pontos na passagem de setembro para outubro, para 92,5 pontos, informou nesta sexta-feira, 27, a Fundação Getulio Vargas (FGV). Com a segunda alta consecutiva, o indicador alcança o maior nível desde agosto de 2014, quando estava em 92,7 pontos.

"A expressiva alta do Icom nos últimos dois meses e o registro de seu maior nível desde 2014 reforçam a percepção de que o efeito da crise política de maio passou completamente e de que os indicadores de confiança do setor retomam a tendência de alta do início do ano. O movimento sugere que o segmento segue em recuperação lenta, sob influência da inflação baixa e do ciclo de redução das taxas de juros", avaliou Rodolpho Tobler, coordenador da Sondagem do Comércio no Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV), em nota oficial.

Houve avanço na confiança em 10 dos 13 segmentos pesquisados. Em outubro, o Índice de Situação Atual (ISA-COM) subiu 2,3 pontos, para 86,2 pontos, o maior patamar desde janeiro de 2015. Já o Índice de Expectativas (IE-COM) cresceu 4,1 pontos, para 99,2 pontos, o nível mais elevado desde março de 2014.

A melhora no mês foi reforçada ainda pela queda do "Índice de Desconforto" do Comércio, construído pela soma das proporções de empresas que apontam fatores limitativos à melhoria dos negócios tradicionalmente relacionados ao mau humor empresarial: demanda insuficiente, custo financeiro e acesso a crédito bancário. O "Índice de Desconforto" caiu pelo sexto mês seguido na métrica de médias móveis trimestrais, ficando 18,1 pontos abaixo do patamar máximo registrado em outubro de 2015. A melhora recente reforça a sinalização de recuperação gradual do setor, segundo a FGV.

A coleta de dados para a edição de outubro da Sondagem do Comércio foi realizada entre os dias 2 e 25 do mês e obteve informações de 1.209 empresas.

Fonte: em.com.br


Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Visitas ao site: 64893
Leal Contábil e Consultoria  |  Fone 98. 3312 6092  Avenida Colares Moreira, Quadra 28, Lote 07
Edifício Vinicius de Moraes, sala 901 | Bairro Calhau | CEP: 65.071-322 | São Luís - Maranhão