Imposto de Renda 2018: veja quando retirar dependentes da declaração

Cotações e Índices

Moedas - 22/03/2019 13:21:04
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,888
  • 3,889
  • Paralelo
  • 3,820
  • 4,030
  • Turismo
  • 3,730
  • 4,040
  • Euro
  • 4,391
  • 4,393
  • Iene
  • 0,035
  • 0,035
  • Franco
  • 3,915
  • 3,914
  • Libra
  • 5,136
  • 5,137
  • Ouro
  • 159,000
  •  
Mensal - 14/02/2019
  • Índices
  • Dez
  • Jan
  • Inpc/Ibge
  • 0,14
  • 0,36
  • Ipc/Fipe
  • 0,09
  • 0,58
  • Ipc/Fgv
  • 0,21
  • 0,57
  • Igp-m/Fgv
  • -0,49
  • 0,01
  • Igp-di/Fgv
  • -0,45
  • 0,07
  • Selic
  • 0,49
  • 0,54
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,56
  • -
  • TR
  • -
  • -

Obrigações Tributárias do Dia

  • 25/Março/2019
  • DCTF Mensal | Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais
  • DCTF - Inativa | Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais
  • IRRF | Imposto de Renda Retido na Fonte
  • COFINS
  • PIS/Pasep
  • IPI | Imposto sobre Produtos Industrializados
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

Quem inclui um dependente na declaração do Imposto de Renda tem uma dedução de R$ 2.275,08 na base de cálculo do imposto. Mas esse desconto nem sempre vale a pena, há casos em que ter um dependente, no fim das contas, faz os rendimentos tributáveis aumentarem significativamente.

Podem ser declarados como dependentes filhos, enteados, irmãos, netos, bisnetos, pais, avós e bisavós, além de menor pobre de quem o contribuinte tenha a guarda, cônjuges e companheiros com quem tenha filho ou viva há mais de 5 anos. Sogros só podem ser incluídos quando os cônjuges fazem declaração conjunta.

Veja abaixo 4 casos nos quais o dependente precisa ser excluído da declaração, ou quando é mais vantajoso que ele faça a sua própria, separadamente.

Para elaborar a lista, o G1 ouviu os especialistas Luciana Pantaroto, da Associação Brasileira de Planejadores Financeiros (Planejar) e Márcio Lério da Silva, do Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo (CRCSP).

1. Quando o dependente passa a ter renda
Em geral, não vale a pena incluir na declaração o dependente que já tem rendimentos próprios. Considere o exemplo de um contribuinte que tem renda anual de R$ 100 mil e tem um filho que ganha R$ 1,5 mil por mês. Com esse rendimento, o filho, sozinho, é isento de tributação. Mas caso o pai queira incluí-lo na sua declaração, terá de pagar imposto (alíquota de 27,5%, faixa mais alta) sobre a sua própria renda mais a do filho.

2. Quando os pais, avós e bisavós têm renda acima de 22.847,76 em 2017
Pais, avós e bisavós podem ser declarados como dependentes, mas desde que tenham tido renda menor que 22.847,76 em 2017.

3. Quando pais, avós e bisavós têm renda abaixo de 22.847,76 em 2017, com poucas despesas

Não é sempre que compensa incluir pais, avós e bisavós como dependentes na declaração, é preciso fazer cálculos caso a caso. Em linhas gerais, só é vantajoso quando o dependente possuir altas despesas dedutíveis (como gastos médicos, por exemplo) e renda baixa.

4. Quando o dependente atinge a idade limite
A idade limite para incluir filhos, irmãos, netos ou bisnetos como dependentes na declaração do Imposto de Renda é de 25 anos (completados no ano referente à declaração). Mas caso o dependente não esteja estudando (seja no ensino superior ou em escola técnica de 2º grau), esse limite cai para 21 anos. No caso de o dependente ser menor pobre de quem o declarante tem guarda judicial, a idade limite também é 21 anos.

Fonte: g1.globo | 19/04/2018


Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Visitas ao site: 53344
Leal Contábil e Consultoria  |  Fone 98. 3312 6092  Avenida Colares Moreira, Quadra 28, Lote 07
Edifício Vinicius de Moraes, sala 901 | Bairro Calhau | CEP: 65.071-322 | São Luís - Maranhão