Juro do cheque especial e do cartão cai em maio, mas continua acima de 300% ao ano

Cotações e Índices

Moedas - 27/03/2020 15:52:48
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 5,021
  • 5,023
  • Paralelo
  • 4,370
  • 5,100
  • Turismo
  • 5,000
  • 5,300
  • Euro
  • 5,537
  • 5,541
  • Iene
  • 0,046
  • 0,046
  • Franco
  • 5,212
  • 5,216
  • Libra
  • 6,094
  • 6,097
  • Ouro
  • 261,110
  •  
Mensal - 04/03/2020
  • Índices
  • Jan/20
  • Dez/19
  • Inpc/Ibge
  • 0,19
  • 1,22
  • Ipc/Fipe
  • 0,29
  • 0,94
  • Ipc/Fgv
  • 0,59
  • 0,77
  • Igp-m/Fgv
  • 0,48
  • 2,09
  • Igp-di/Fgv
  • 0,09
  • 1,74
  • Selic
  • 0,38
  • 0,37
  • Poupança
  • 0,05
  • 0,05
  • TJLP
  • 5,09
  • 5,57
  • TR
  • -
  • -

Obrigações Tributárias do Dia

  • 31/Março/2020 – 3ª Feira.
  • IOF | Imposto sobre Operações Financeiras.
  • COFINS/PIS-PASEP | Retenção na Fonte – Autopeças.
  • IRPJ/CSL | Imposto de Renda Pessoa Jurídica e da Contribuição Social sobre o Lucro | Apuração mensal.
  • IRPJ/CSL | Imposto de Renda Pessoa Jurídica e da Contribuição Social sobre o Lucro | Apuração trimestral.
  • IRPJ/CSL - Lucro real anual - Saldo de 2019.
  • IRPJ | Imposto de Renda Pessoa Jurídica | Renda variável.
  • IRPJ/Simples Nacional | Ganho de Capital na alienação de Ativos.
  • IRPF | Imposto de Renda Pessoa Física.
  • REFIS/PAES | Programa de Recuperação Fiscal.
  • REFIS | Programa de Recuperação Fiscal.
  • Previdência Social (INSS) | Programa de Modernização da Gestão e de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro | Profut | Parcelamento de débitos junto à RFB e à PGFN.
  • Previdência Social (INSS) | Programa de Recuperação Previdenciária dos Empregadores Domésticos - Redom (Parcelamento de débitos em nome do empregado e do empregador domésticos junto à PGFN e à RFB).
  • DOI | Declaração de Operações Imobiliárias.
  • DME | Declaração de Operações Liquidadas com Moeda em Espécie.
  • Operações com criptoativos.
  • Programa bienal de segurança e medicina do trabalho.
  • Declaração de Benefícios Fiscais (DBF).
  • Declaração de Transferência de Titularidade de Ações (DTTA).
  • Declaração de Informações Socioeconômicas e Fiscais (Defis).
  • Informações prestadas pelas entidades de previdência complementar, sociedades seguradoras e administradoras de Fapi
  • Declaração de Rendimentos Pagos a Consultores por Organismos Internacionais (Derc).
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

Os juros médios cobrados pelas instituições financeiras no cheque especial e no cartão de crédito caíram voltaram a cair em maio, segundo dados divulgados nesta quarta-feira (27) pelo Banco Central. Entretanto, as taxas se mantém acima dos 300% ano.

No caso do cheque especial, os juros médios passaram de 321% ao ano, em abril, para 311,9% ao ano, em maio, redução de 9,1 pontos porcentuais.

Já a taxa média do cartão de crédito rotativo caiu de 328,6% ao ano, em abril, para 303,6% ao ano, em maio.

Apesar da queda na taxa de juros, a inadimplência do rotativo do cartão de crédito subiu de 33,7% para 34,8%, entre abril e maio.

Medidas para redução dos juros
No final de abril, o Conselho Monetário Nacional (CMN) alterou as regras do cartão de crédito, em nova tentativa de reduzir os juros.

Entras as mudanças está a criação de um limite para os juros cobrados dos clientes que não conseguirem pagar o mínimo do rotativo ou que ficarem inadimplentes, e a liberação para que os bancos fixem o percentual mínimo de pagamento da fatura mensal.

Essas mudanças, no entanto, só começaram a ser aplicadas em junho.

Também em abril, os bancos anunciaram novas regras para o uso do cheque especial, que começarão a vigorar em julho. A principal regra anunciada obriga as instituições a disponibilizarem para os clientes opções para o pagamento do saldo devedor do cheque especial em condições mais vantajosas.

Juros bancários e inadimplência
Os juros médios cobrados pelas instituições financeiras nos empréstimos para pessoas físicas e jurídicas também apresentou queda em maio, passando de 40,9% ao ano, em abril, para 39,2% ao ano, em maio.

As taxas referem-se a juros das instituições com recursos livres, ou seja, não consideram as operações feitas pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o crédito rural e o crédito imobiliário.

A taxa média cobrada de pessoas físicas caiu de 56,6% ao ano, em abril, para 53,8% ao ano, em maio.

O juro médio nas operações de crédito de empresas caiu menos, passando de 20,8% ao ano, em abril, para 20,6% ao ano, em maio.

Ainda segundo os dados do Banco Central, a taxa de inadimplência com recursos livres apresentou uma leve queda, passando de 4,7%, em abril, para 4,6%, em maio.

Se considerarmos apenas as pessoas físicas e as operações com recursos livres, a taxa de inadimplência caiu de 5,1% para 5%, entre abril e maio. No caso das empresas, a taxa caiu de 4,2% para 4,1%.

Fonte: G1 Globo | 27/06/2018


Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Visitas ao site: 64684
Leal Contábil e Consultoria  |  Fone 98. 3312 6092  Avenida Colares Moreira, Quadra 28, Lote 07
Edifício Vinicius de Moraes, sala 901 | Bairro Calhau | CEP: 65.071-322 | São Luís - Maranhão