Golpistas telefonam para vítimas instalarem ladrão de senhas bancárias, alerta IBM

Cotações e Índices

Moedas - 22/05/2019 13:15:13
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 4,028
  • 4,028
  • Paralelo
  • 4,000
  • 4,210
  • Turismo
  • 3,870
  • 4,190
  • Euro
  • 4,493
  • 4,495
  • Iene
  • 0,037
  • 0,037
  • Franco
  • 3,994
  • 3,993
  • Libra
  • 5,105
  • 5,107
  • Ouro
  • 166,040
  •  
Mensal - 06/05/2019
  • Índices
  • Fev
  • Mar
  • Inpc/Ibge
  • 0,54
  • 0,77
  • Ipc/Fipe
  • 0,54
  • 0,51
  • Ipc/Fgv
  • 0,35
  • 0,65
  • Igp-m/Fgv
  • 0,88
  • 1,26
  • Igp-di/Fgv
  • 1,25
  • 1,07
  • Selic
  • 0,49
  • 0,47
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,59
  • 0,59
  • TR
  • -
  • -

Obrigações Tributárias do Dia

  • 23/Maio/2019
  • IOF | Imposto sobre Operações Financeiras
  • IRRF | Imposto de Renda Retido na Fonte
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

A equipe de pesquisadores de segurança digital X-Force alertou nesta terça-feira (4) que golpistas brasileiros estão telefonando para empresas com orientações para realizar um suposto processo de "atualização" do software de proteção do banco. Caso a vítima siga as instruções do criminoso, o computador será contaminado com um vírus que rouba senhas bancárias e pode até derrotar mecanismos avançados de autenticação.

Os especialistas da IBM batizaram o vírus de CamuBot, porque ele está "camuflado" como um software de segurança bancário.

A fraude começa com uma ligação telefônica. O criminoso se identifica como um funcionário do banco e afirma que a vítima precisa visitar um site para determinar se é necessário instalar uma atualização de segurança. O "teste" é falso e sempre retorna um resultado positivo, e a suposta atualização é na verdade o vírus que viabiliza a fraude.

Para diminuir as suspeitas, a praga possui uma tela de instalação, imitando um programa normal.

Quando a instalação é terminada, a vítima já estará em um site falso do banco e receberá uma orientação para digitar as informações da conta e a senha. Nesse momento, a senha da conta é recebida pelo hacker. Caso o criminoso tenha todos os dados necessários para aplicar o golpe nessa etapa, ele desliga o telefone, segundo a IBM.

Depois, o vírus permite que o invasor conecte-se ao computador da vítima. Isso garante que qualquer acesso do criminoso à conta bancária seja realizado pelo mesmo computador do correntista, o que impede o banco de detectar alguma anomalia na região de acesso, por exemplo.

A praga também é capaz de instalar softwares especiais que dão acesso a mecanismos mais fortes de autorização. Isso pode ser um Smartcard ou até um equipamento biométrico, segundo a IBM. As capacidades específicas do código nessa área são incertas. Mas, se essa função for necessária, o criminoso dará mais orientações à vítima para que ela "compartilhe" o dispositivo remotamente.

Segundo a IBM, os ataques com o CamuBot começaram em agosto. A empresa avalia que a praga é consideravelmente mais avançada que os outros programas brasileiros que roubam senhas bancárias. Muitos vírus brasileiros aguardam um acesso ao banco por parte da vítima e apenas bloqueiam a tela com imagens falsas enquanto o bandido realiza transferência fraudulentas.

Hackers 'estudam' a vítima
Segundo a IBM, os ataques envolvendo o CamuBot parecem personalizados para cada vítima, inclusive com modificações nos endereços envolvidos no download do vírus ao computador. A companhia especula que é bastante provável que os criminosos realizem uma pesquisa sobre as empresas que serão alvo do golpe antes de iniciar a chamada telefônica.

É possível que os hackers utilizem redes sociais, listas telefônicas e outros dados para descobrir quem é o dono de uma empresa ou quem teria acesso às informações de acesso à conta corrente.

De acordo com os especialistas, só foram registrados ataques com o CamuBot no Brasil.

Fonte: G1 Globo | 05/09/2018


Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Visitas ao site: 55539
Leal Contábil e Consultoria  |  Fone 98. 3312 6092  Avenida Colares Moreira, Quadra 28, Lote 07
Edifício Vinicius de Moraes, sala 901 | Bairro Calhau | CEP: 65.071-322 | São Luís - Maranhão