Exchanges deverão contestar Receita

Cotações e Índices

Moedas - 26/03/2019 09:45:51
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,857
  • 3,859
  • Paralelo
  • 3,850
  • 4,060
  • Turismo
  • 3,700
  • 4,010
  • Euro
  • 4,347
  • 4,351
  • Iene
  • 0,035
  • 0,035
  • Franco
  • 3,879
  • 3,880
  • Libra
  • 5,106
  • 5,109
  • Ouro
  • 163,280
  •  
Mensal - 14/02/2019
  • Índices
  • Dez
  • Jan
  • Inpc/Ibge
  • 0,14
  • 0,36
  • Ipc/Fipe
  • 0,09
  • 0,58
  • Ipc/Fgv
  • 0,21
  • 0,57
  • Igp-m/Fgv
  • -0,49
  • 0,01
  • Igp-di/Fgv
  • -0,45
  • 0,07
  • Selic
  • 0,49
  • 0,54
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,56
  • -
  • TR
  • -
  • -

Obrigações Tributárias do Dia

  • 29/Março/2019
  • IOF | Imposto sobre Operações Financeiras.
  • COFINS/PIS-PASEP | Retenção na Fonte – Autopeças
  • IRPJ/CSL | Imposto de Renda Pessoa Jurídica e da Contribuição Social sobre o Lucro | Apuração mensal.
  • IRPJ/CSL | Imposto de Renda Pessoa Jurídica e da Contribuição Social sobre o Lucro | Apuração trimestral
  • IRPJ/CSL - Lucro real anual - Saldo de 2018
  • IRPJ | Imposto de Renda Pessoa Jurídica | Renda variável
  • IRPJ/Simples Nacional | Ganho de Capital na alienação de Ativos
  • IRPF | Imposto de Renda Pessoa Física
  • FINOR/FINAM/FUNRES | Apuração mensal
  • FINOR/FINAM/FUNRES | Apuração trimestral
  • REFIS/PAES | Programa de Recuperação Fiscal
  • REFIS | Programa de Recuperação Fiscal
  • PAEX 1 | Parcelamento Excepcional
  • PAEX 2 | Parcelamento Excepcional
  • Simples Nacional | Parcelamento Especial
  • INSS | Previdência Social | Simples Nacional | Parcelamento Especial
  • Previdência Social (INSS) | Programa de Modernização da Gestão e de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro | Profut || Parcelamento de débitos junto à RFB e à PGFN
  • Previdência Social (INSS) | Programa de Recuperação Previdenciária dos Empregadores Domésticos - Redom (Parcelamento de débitos em nome do empregado e do empregador domésticos junto à PGFN e à RFB)
  • DOI | Declaração de Operações Imobiliárias
  • DME | Declaração de Operações Liquidadas com Moeda em Espécie
  • Declaração de Benefícios Fiscais (DBF)
  • Informações prestadas pelas entidades de previdência complementar, sociedades seguradoras e administradoras de Fapi
  • Declaração de Rendimentos Pagos a Consultores por Organismos Internacionais (Derc)
  • Declaração de Transferência de Titularidade de Ações (DTTA)
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

A consulta pública trazida pelo fisco no final de outubro tem fim na próxima segunda-feira (19) e propõe que pessoas físicas e jurídicas do setor prestem informações

ISABELA BOLZANI

As exchanges de criptoativos contestarão as medidas propostas pela Receita Federal em consulta pública. Os pedidos serão por medidas mais justas para a tributação do mercado e por um maior tempo para adaptação. A expectativa é que as normas venham em 2019.

Às vésperas do final do prazo para manifestação na consulta pública criada pelo fisco (que deve findar no próximo dia 19 de novembro), o mercado de criptomoedas está “alvoroçado”.

No final de outubro último, entrou no ar uma consulta pública proposta pela Receita Federal para a criação de uma obrigação acessória.

Entre as propostas, uma das exigências seria a “prestação de informações relativas às operações envolvendo criptoativos, além de prever a declaração por parte de pessoas físicas e jurídicas quando utilizarem exchanges no exterior ou realizarem as transações por P2P (operações entre pessoas).

De acordo com a diretora jurídica da Atlas Quantum e advogada especializada em criptomoedas, Emília Campos, apesar de um dos motivos trazidos pelo fisco ser a corrupção e lavagem de dinheiro, a principal razão para a proposta seria impor a tributação ao mercado.

“O driver motivador é cobrar impostos, com certeza. Mas ela tem extrapolado um pouco, o que gera a consequência de tributar”, disse.

A especulação principal é de que o órgão fiscalizador tenha se baseado em um relatório trazido pelo BitValor no final de 2017, que reiterava o potencial do mercado de criptoativos de movimentar, ao longo de 2018, entre R$ 18 bilhões e R$ 45 bilhões. No consolidado de 2017, os negócios somaram R$ 8,3 bilhões.

“Isso, no entanto, não se concretizou. Ao invés de aumentar, o mercado decresceu. A expectativa é que, neste ano, as movimentações somem R$ 6 bilhões, um volume R$ 2,5 bilhões menor do que o previsto. E, se a Receita está levando como base esse estudo, precisamos alertá-la”, explica a diretora jurídica da Foxbit e vice-presidente da Associação Brasileira de Criptoeconomia (ABCripto), Natália Garcia.

O bitcoin, por exemplo, principal criptomoeda do País que fechou o ano passado em R$ 49,750 mil estava, na última quarta-feira (14), às 18h30, com preço médio cotado em R$ 22,997 mil, um recuo de 53,7% na comparação citada.

Sem nenhuma perspectiva de regulamentação específica ao setor por parte dos órgãos reguladores responsáveis (entre eles a Comissão de Valores Mobiliários e o Banco Central), porém, o diretor da Bolsa de Moedas Virtuais Empresariais de São Paulo (Bomesp), Fernando Barrueco, considera o movimento “importante” para trazer avanços ao setor.

“É interessante e só vem para aumentar a atenção ao mercado. Mas é preciso ser debatido para que não sobrecarregue as exchanges, uma vez que a maioria delas são fintechs e não é simples prestar informações à Receita”, afirma.

Dores do mercado

Nessa linha, a diretora da Foxbit reitera o cuidado necessário na obrigação acessória para não “quebrar” as empresas.

“Uma das consequências disso já seria o aumento das transações P2P e um segundo efeito é uma burocracia tão grande que poderia fechar algumas empresas”, avalia a executiva e destaca que das mais de 40 exchanges que surgiram no Brasil em 2018, nenhuma delas cobra tarifa mensal.

“Não há volume o suficiente. A cobrança de uma sanção de 3% por parte do fisco [em caso de irregularidade na hora do reporte], pode ser fatal”, diz.

Outro ponto trazido pelo gerente de controladoria do Bitcoin Banco Daniel dos Santos Moraes é obrigatoriedade de notificação à Receita de transações acima de R$ 10 mil.

“No mercado de ações, esse número é acima de R$ 35 mil. Só para comparação, enquanto as transações acima desse valor são apenas 5% da nossa carteira, as de R$ 10 mil são mais de 70% da base. Não há nada tão rigoroso no mercado financeiro e isso dificulta bastante para nós”, opina.

As expectativas do mercado, por sua vez, giram em torno de que já em 2019 as medidas sejam implementadas e obrigatórias, mas há “esperança” de que as normas sejam “equilibradas”. “A Receita com certeza está disposta a ouvir algumas dores do mercado em relação a isso também, mas precisamos de mais atenção às normas. E com certeza vamos brigar por mais tempo”, conclui Garcia.

Fonte: Fenacon.org.br | 19/11/2018


Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Visitas ao site: 53416
Leal Contábil e Consultoria  |  Fone 98. 3312 6092  Avenida Colares Moreira, Quadra 28, Lote 07
Edifício Vinicius de Moraes, sala 901 | Bairro Calhau | CEP: 65.071-322 | São Luís - Maranhão