Investimento em cibersegurança no Brasil deve aumentar em 2019

Cotações e Índices

Moedas - 14/11/2019 17:22:43
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 4,186
  • 4,187
  • Paralelo
  • 4,130
  • 4,360
  • Turismo
  • 4,120
  • 4,370
  • Euro
  • 4,598
  • 4,599
  • Iene
  • 0,039
  • 0,039
  • Franco
  • 4,233
  • 4,232
  • Libra
  • 5,366
  • 5,368
  • Ouro
  • 196,700
  •  
Mensal - 23/09/2019
  • Índices
  • Jul
  • Ago
  • Inpc/Ibge
  • 0,10
  • 0,12
  • Ipc/Fipe
  • 0,14
  • 0,33
  • Ipc/Fgv
  • 0,31
  • 0,17
  • Igp-m/Fgv
  • 0,40
  • -0,67
  • Igp-di/Fgv
  • -0,01
  • -0,51
  • Selic
  • 0,53
  • 0,49
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,59
  • 0,59
  • TR
  • -
  • -

Obrigações Tributárias do Dia

  • 18/Novembro/2019
  • INSS | Previdência Social
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

A evolução da virtualização do mercado brasileira traz consigo novos desafios, com a cibersegurança ocupando posição de destaque na lista de novas necessidades. Diante deste cenário, a Tempest Security Intelligence realizou uma pesquisa com 50 companhias de 15 segmentos diferentes a fim de averiguar a quantas andam as defesas das empresas brasileiras.

A ideia era avaliar um panorama geral sobre o tema diante de novas legislações de proteção de dados, como a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD), ratificada em maio de 2018 no Brasil, e o Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados (GDPR, na sigla em inglês), implementado na Europa em maio do ano passado.

Com representes de setores variados como mídia, transporte, energia, seguros, mercado financeiro e varejo, as empresas relataram deram boas dicas dos caminhos da cibersegurança no país.

Em sua maioria, as companhias citam que o orçamento em segurança representa até 2% do faturamento, um número que deve crescer nos próximos anos. Para 2019, 38,8% das empresas ouvidas esperam elevar os gastos com isso em até 20%, enquanto 30,9% garante aumentar o investimento em no máximo 5%.

Nível de maturidade
powered by Rubicon Project
Um dos destaques apontados pela pesquisa da Tempest envolve a autopercepção do nível de maturidade de uma empresa em relação à cibersegurança. Com estágios indo de zero a quatro, o maior grupo se concentra no Estágio 2, que considera como “Estabelecido” o nível de adequação às exigências da atualidade.

O nível mais avançado, Estágio 4, considera “Avançado” o tema da segurança concentra 23,64% das companhias, enquanto o Estágio 3, que classifica como “Gerenciado” o patamar de maturidade em relação às questões de segurança, engloba 20% das companhias pesquisadas.

A parte preocupante, porém, está na informação de que cerca de 25% das empresas está no Estágio 0 (3,64%) ou “Inicial” (21,82%), quando a empresa ou dispõe de praticamente nenhum recurso de segurança formalizado ou tem alguns processos estruturados, mas não encampa estratégias globais sobre a cibersegurança.

Fatores relevantes
Entre os fatores citados pelas companhias mais relevantes para investimentos em cibersegurança, o principal deles é a proteção dos dados dos clientes, motivo apontado por 67,27% dos entrevistados. Em segundo lugar veio a reputação da marca (54,55%), seguido de perdas financeiras relacionadas a falhas de segurança (45,45%).

Fonte: Tecmundo | 22/04/2019


Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Visitas ao site: 60927
Leal Contábil e Consultoria  |  Fone 98. 3312 6092  Avenida Colares Moreira, Quadra 28, Lote 07
Edifício Vinicius de Moraes, sala 901 | Bairro Calhau | CEP: 65.071-322 | São Luís - Maranhão