ECF: Entenda a Escrituração Contábil Fiscal

Cotações e Índices

Moedas - 08/04/2020 15:41:59
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 5,153
  • 5,154
  • Paralelo
  • 4,500
  • 5,200
  • Turismo
  • 5,190
  • 5,500
  • Euro
  • 5,676
  • 5,681
  • Iene
  • 0,048
  • 0,048
  • Franco
  • 5,376
  • 5,381
  • Libra
  • 6,454
  • 6,460
  • Ouro
  • 276,980
  •  
Mensal - 04/03/2020
  • Índices
  • Jan/20
  • Dez/19
  • Inpc/Ibge
  • 0,19
  • 1,22
  • Ipc/Fipe
  • 0,29
  • 0,94
  • Ipc/Fgv
  • 0,59
  • 0,77
  • Igp-m/Fgv
  • 0,48
  • 2,09
  • Igp-di/Fgv
  • 0,09
  • 1,74
  • Selic
  • 0,38
  • 0,37
  • Poupança
  • 0,05
  • 0,05
  • TJLP
  • 5,09
  • 5,57
  • TR
  • -
  • -

Obrigações Tributárias do Dia

  • 09/Abril/2020 – 5ª Feira.
  • ICMS | Substituição tributária.
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

Herdamos muito dos gregos, conhecemos seus deuses, deusas e uma variedade de heróis. Quem pensa que a mitologia grega está somente nas páginas dos livros, pode estar enganado.

Quem diria que nas obrigações tributárias acessórias também nos deparamos com uma figura mitológica, qual seja, a Escrituração Contábil Fiscal – ECF, um verdadeiro centauro, com tronco, braços e cabeça fiscais, e corpo e pernas contábeis.

A ECF é um híbrido. Importa para seus arquivos os dados da escrituração contábil dos contribuintes, colhidos da Escrituração Contábil Digital – ECD, e audita os dados fiscais da apuração do imposto de renda da pessoa jurídica e da contribuição social sobre o lucro líquido, respectivamente IRPJ e CSLL.

Nos termos da Instrução Normativa nº. 1.422/13, todas as pessoas jurídicas, inclusive as equiparadas, deverão apresentar a ECF de forma centralizada pela matriz. Estão dispensados desta obrigação:

a) as pessoas jurídicas optantes Simples Nacional;

b) órgãos públicos, as autarquias e as fundações públicas; e

c) pessoas jurídicas inativas, assim consideradas aquelas que não tenham efetuado qualquer atividade operacional, não operacional, patrimonial ou financeira, inclusive aplicação no mercado financeiro ou de capitais, durante todo o ano-calendário.

O sujeito passivo deverá informar na ECF todas as operações que influenciem a composição da base de cálculo e o valor devido do IRPJ e da CSLL, especialmente quanto:

a) à recuperação do plano de contas contábil e saldos das contas, para pessoas jurídicas obrigadas a entregar a ECD relativa ao mesmo período da ECF;

b) à recuperação de saldos finais da ECF do período imediatamente anterior, quando aplicável;

c) à associação das contas do plano de contas contábil recuperado da ECD com plano de contas referencial, definido pela Coordenação-Geral de Fiscalização – COFIS, por meio de Ato Declaratório Executivo;

d) ao detalhamento dos ajustes do lucro líquido na apuração do Lucro Real, no Livro Eletrônico de Apuração do Lucro Real (e-Lalur), mediante tabela de adições e exclusões definida pela Cofis, por meio de Ato Declaratório Executivo;

e) ao detalhamento dos ajustes da base de cálculo da CSLL, no Livro Eletrônico de Apuração da Base de Cálculo da CSLL (e-Lacs), mediante tabela de adições e exclusões definida pela Cofis, por meio de Ato Declaratório Executivo;

f) aos registros de controle de todos os valores a excluir, adicionar ou compensar em exercícios subsequentes, inclusive prejuízo fiscal e base de cálculo negativa da CSLL;

g) aos registros, lançamentos e ajustes que forem necessários para a observância de preceitos da lei tributária relativos à determinação do lucro real e da base de cálculo da CSLL, quando não devam, por sua natureza exclusivamente fiscal, constar da escrituração comercial, ou sejam diferentes dos lançamentos dessa escrituração; e

h) à apresentação do Demonstrativo de Livro Caixa, a partir do ano-calendário 2016, para as pessoas jurídicas optantes pela sistemática do lucro presumido que no decorrer do ano-calendário, mantiver livro Caixa, no qual esteja escriturado toda a movimentação financeira, inclusive bancária, e cuja receita bruta no ano seja superior a R$ 1.200.000,00, ou proporcionalmente ao período a que se refere.

A ECF será transmitida anualmente ao Sped até o último dia útil do mês de julho do ano seguinte ao ano-calendário a que se refira. Nos casos de extinção, cisão parcial, cisão total, fusão ou incorporação, deverá ser entregue pelas pessoas jurídicas extintas, cindidas, fusionadas, incorporadas e incorporadoras, até o último dia útil do 3º mês subsequente ao do evento. E deverá ainda ser assinada digitalmente mediante certificado emitido por entidade credenciada pela Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira.

Qual a intimidação das normas se não houvesse sanção pelo seu descumprimento? Quiçá nenhuma. Por isto, a não apresentação da ECF ou sua apresentação com omissões ou incorreções está sujeita a multa variável de acordo com o regime de apuração do imposto de renda.

Fonte: JornalContabil | 04/07/2019


Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Visitas ao site: 65261
Leal Contábil e Consultoria  |  Fone 98. 3312 6092  Avenida Colares Moreira, Quadra 28, Lote 07
Edifício Vinicius de Moraes, sala 901 | Bairro Calhau | CEP: 65.071-322 | São Luís - Maranhão