180 mil pessoas sofrem golpe no WhatsApp sobre 13° salário do Bolsa Família

Cotações e Índices

Moedas - 22/11/2019 08:21:40
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 4,203
  • 4,204
  • Paralelo
  • 4,150
  • 4,390
  • Turismo
  • 4,140
  • 4,400
  • Euro
  • 4,645
  • 4,649
  • Iene
  • 0,034
  • 0,034
  • Franco
  • 3,767
  • 3,770
  • Libra
  • 4,786
  • 4,792
  • Ouro
  • 198,420
  •  
Mensal - 23/09/2019
  • Índices
  • Jul
  • Ago
  • Inpc/Ibge
  • 0,10
  • 0,12
  • Ipc/Fipe
  • 0,14
  • 0,33
  • Ipc/Fgv
  • 0,31
  • 0,17
  • Igp-m/Fgv
  • 0,40
  • -0,67
  • Igp-di/Fgv
  • -0,01
  • -0,51
  • Selic
  • 0,53
  • 0,49
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,59
  • 0,59
  • TR
  • -
  • -

Obrigações Tributárias do Dia

  • 22/Novembro/2019
  • DCTF Mensal | Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais.
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

Um novo golpe de WhatsApp mira beneficiários do Bolsa Família. Segundo o laboratório de segurança dfndr lab, da PSafe, mais de 180 mil pessoas foram atingidas pelo golpe nos últimos sete dias, que promete liberar o 13° salário neste mês de julho.

Dados do laboratório indicam que, a cada hora, pelos 1 mil novos acessos são realizados no domínio fraudulento. A campanha maliciosa é um phishing: phishing é um dos métodos de ataque mais antigos, já que "metade do trabalho" é enganar o usuário de computador ou smartphone. Como uma "pescaria", o cibercriminoso envia um texto indicando que você ganhou algum prêmio ou dinheiro (ou está devendo algum valor) e, normalmente, um link acompanhante para você resolver a situação. O phishing também pode ser caracterizado como sites falsos que pedem dados de visitantes. A armadilha acontece quando você entra nesse link e insere os seus dados sensíveis — normalmente, há um site falso do banco/ecommerce para ludibriar a vítima —, como nome completo, telefone, CPF e números de contas bancárias.

O usuário é incentivado a responder uma breve pesquisa e a fornecer dados pessoais

No caso deste golpe do Bolsa Família, o usuário é incentivado a responder uma breve pesquisa e a fornecer dados pessoais — como nome completo e endereço. Posteriormente, ele precisa compartilhar o link malicioso com seus contatos ou grupos do mensageiro para ter acesso ao suposto benefício. Por fim, o usuário é induzido a conceder permissão para receber futuras notificações com outros golpes e, depois, direcionado a páginas falsas para fazer downloads de apps infectados com vírus.

“Não é a primeira vez que cibercriminosos utilizam um programa do governo como temática de golpe. Geralmente, esse tipo de tema tem bastante apelo da população, o que facilita na viralização do link malicioso. Além disso, a vantagem de solicitar permissão para enviar novos golpes é que o hacker passa a ter um canal direto de comunicação com vítima, onde não precisará mais se preocupar em mandar links via e-mails, SMS, redes sociais ou mensageiros. A mensagem do cibercriminoso aparecerá diretamente na tela de notificações do celular, bastando um toque para a vítima abrir o ataque”, comenta Emilio Simoni, Diretor do dfndr lab.

Para não cair nesse tipo de golpe, você precisa ficar atento aos links recebidos e ao remetente — não clicar em endereços recebidos de contatos desconhecidos é a máxima. Além disso, se você está com uma dúvida, não insira os seus dados pessoais sem checar com outra pessoa, pode ser amigo ou familiar. Em último caso, procure o site oficial de seu banco/empresa e entre em contato. Vale notar que é interessante contar com uma ferramenta antivírus em seu smartphone e computador.

Fonte: Tecmundo | 05/07/2019


Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Visitas ao site: 61078
Leal Contábil e Consultoria  |  Fone 98. 3312 6092  Avenida Colares Moreira, Quadra 28, Lote 07
Edifício Vinicius de Moraes, sala 901 | Bairro Calhau | CEP: 65.071-322 | São Luís - Maranhão